Leonardo Ramirez/AP
Leonardo Ramirez/AP

Se o povo deixar, fico mais 11 anos no poder, diz Chávez

Presidente venezuelano, que assumiu em 1999, nomeia ministros e novo vice após saída de chavistas históricos

estadao.com.br,

02 de fevereiro de 2010 | 18h41

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse nesta terça-feira, 2, no 11º aniversário de seu governo que se o povo quiser, ele está disposto a governar por mais 11 anos.

Veja também:

listaEntenda a polêmica na Venezuela

som Enviado do Estado analisa crise

"Tenho 55 anos. Nos próximos 11 anos, se me cuidar um pouco e se vocês quiserem, terei 66, com 22 de governo", disse Chávez, segundo a France Presse. "Já outros 11 não quero nem pensar, porque teria 77 e 33 de presidência. Seria muito, não acham", perguntou o presidente, para depois ouvir um "Não!" de seus aliados e assistentes próximos em um teatro de Caracas.

O segundo mandato de Chávez acaba em 2012 e ele já anunciou que pretende concorrer a um terceiro, depois de que um referendo em 2009 permitiu uma emenda à Constituição.

Novos ministros

Na mesma cerimônia, Chávez nomeou o novo vice-presidente , Elías Jaua, e os ministros de Cultura Farruco Sesto e de Turismo, Alejandro Fleming, respectivamente. Jaua foi designado vice-presidente por Chávez em 26 de janeiro em substituição a Ramón Carrizález, que renunciou ao posto por "razões pessoais" assim como a sua mulher, a ministra do Ambiente, Yubiri Ortega.

As mudanças, que incluem a vice-presidência e quatro ministérios em pouco menos de uma semana, geraram suspeitas de que Chávez estaria perdendo apoio. Carrizález era um dos homens mais próximos a Chávez e tinha um dos principais cargos, o Ministério da Defesa a Vice-Presidência.

A posse ocorreu no Teatro Teresa Carreño da capital e foi transmitida em cadeia nacional de rádio e televisão. "Escolhi Elías porque ele faz parte da revolução desde muito jovem e foi um líder estudantil com uma trajetória transparente, de honestidade, com vocação para o trabalho em todos os cargos que ocupou", elogiou o presidente.

Sesto, por sua vez, ocupou diversos cargos nos governos de Chávez, entre eles, os ministérios de Habitação e de Cultura, à qual agora retorna substituindo Héctor Soto.

Fleming, que substitui Pedro Morejón à frente do Turismo, desempenhava até o momento o cargo de vice-chanceler para as Relações Exteriores com a Europa.

Na semana passada, o presidente venezuelano anunciou a nomeação de um novo ministro da Defesa, o militar Carlos Mata Figueroa, que ainda não foi empossado. Igualmente, na semana passada, o líder venezuelano colocou à frente do Ministério do Ambiente, Aleandro Hitcher, em substituição a Yubiri Ortega.

Com informações da Efe

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaChávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.