Secretário-geral da ONU vai ao Haiti para apoiar ajuda a vítimas

Após chegada, Ban foi ao quartel-general da Missão de Paz, onde ao menos 40 funcionários do órgão morreram

estadao.com.br,

17 de janeiro de 2010 | 16h43

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, chegou neste domingo, 17, ao Haiti para visitar as áreas atingidas do terremoto do último dia 12 e para apoiar as ações humanitárias da organização em Porto Príncipe.

A tragédia haitiana:

linkEUA distribuem água e tentam fazer porto funcionar

linkHaiti já tem 60% de áreas afetadas por tremor vasculhadas

linkSaques e gangues ameaçam distribuição de ajuda humanitária

Após a chegada, Ban foi ao quartel-general da Missão de Paz da ONU (Minustah). Ao menos 40 funcionários da ONU morreram, entre eles os dois líderes civis da missão de paz, o brasileiro Luiz Carlos da Costa e o tunisiano Hedi Annabi. Outros 330 estão desaparecidos.

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

O secretário-geral afirmou ainda ter três prioridades na visita: salvar a maior quantidade de sobreviventes possíveis, aumentar o auxílio humanitário e coordenar as doações internacionais.

Não devemos desperdiçar nem um dólar de ajuda", disse. Segundo a ONU, 40 mil pessoas estão recebendo doses diárias de alimento no Haiti e são necessários US$ 562 milhões para reconstruir o país.

O coordenador de ações humanitárias da ONU, John Holmes, calcula que o dinheiro ajudará a assistir 3 milhões de vítimas do terremoto. A maior parte será destinada ao atendimento de necessidades urgentes, como a compra de água e comida, remédios, material de higiene e para o abrigo das pessoas.

Acompanham Ban, além de Holmes, a chefe do programa de desenvolvimento da ONU (PNUD), Helen Clark, o subsecretário geral de operações de paz, Alain Leroy e a chefe do departamento de apoio às operações de paz, Susana Malcorra.

 

Com informações da Associated Press e da Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.