Segundo boca de urna, Macri vence o primeiro turno para prefeito portenho

Governo Cristina aumenta volume de votos em território tradicionalmente anti-peronista

Ariel Palacios,

10 de julho de 2011 | 18h57

BUENOS AIRES - Maurício Macri teria vencido o primeiro turno das eleições para prefeito da capital argentina, segundo indicavam no início da noite as primeiras bocas de urna. Macri, do partido Proposta Republicana (PRO), de centro-direita, teria conseguido de 43% a 45% dos votos. Em segundo lugar estaria o ex-ministro da Educação, Daniel Filmus, candidato apontado pela presidente Cristina Kirchner para representar a kirchnerista Frente pela Vitória, uma sublegenda do Partido Justicialista (Peronista) que autodefine-se "progressista". O sociólogo e pedagogo teria obtido 30% a 33% dos votos.

Desta forma, os portenhos irão no dia 31 de julho novamente às urnas para definir em um segundo turno quem ficará com o comando da cidade 2,8 milhões de habitantes que concentra o poder político, sindical e financeiro do país.

O governo Kirchner celebrou o resultado de Filmus, já que mostra um crescimento em relação ao desempenho do próprio candidato em 2007, quando teve 23,7% dos votos, além de superar amplamente a marca de 12% que os candidatos da presidente Cristina tiveram nas eleições parlamentares de 2009 na cidade de Buenos Aires.

Os analistas sustentam que nesta segunda fase das eleições a presidente Cristina assumirá uma posição ativa a favor de Filmus. Eles também consideram que que a tendência para o segundo turno é de uma vitória de Macri, que poderia conseguir mais de 53% dos votos.

No terceiro posto estava o deputado e cineasta Fernando Solanas, líder do partido Projeto Sul, de esquerda.

A grande dúvida dos analistas de opinião pública, que destacam a extrema "volatilidade" do eleitorado portenho é qual será o destino que os votos concedidos a Solanas no primeiro turno terão na segunda fase das eleições. Os pesquisadores especulam que pelo menos metade de seus votos iriam para Filmus, enquanto que um quarto seriam destinados a Macri. Os restantes 25% dos eleitores de Solanas optariam pelo voto branco ou nulo.

Segundo uma pesquisa da consultoria Equis, tanto Macri como Filmus enfrentam uma rejeição similar do eleitorado, de 40%.

A luta pelo controle de Buenos Aires é uma das mais importantes batalhas políticas em meio à guerra eleitoral argentina, cujo ponto culminante serão as eleições presidenciais de outubro. Na ocasião, a presidente Cristina disputará sua reeleição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.