Seis são presos por morte de oposicionista na Venezuela

Entre os detidos estão quatro funcionários do governo; vítima organizou protestos contra referendo de Chávez

Agência Estado e Associated Press,

17 de outubro de 2008 | 08h41

Seis pessoas, incluindo quatro funcionários do governo venezuelano, foram presas por suposto envolvimento na morte de Julio Soto, um dirigente estudantil oposicionista. O ministro da Justiça, Tarek Al Aissami, confirmou na quinta-feira, 16, as detenções e disse que há outros dois suspeitos no caso. Ainda segundo Al Aissami, aparentemente a arma usada para cometer o crime já foi encontrada. Soto, que ajudou a organizar protestos contra as emendas constitucionais impulsionadas pelo presidente Hugo Chávez, foi morto com vários tiros quando dirigia seu automóvel, em 1.º de outubro. O estudante era membro do partido oposicionista Copei. Segundo o ministro, três dos funcionários presos trabalhavam na inteligência militar e o quarto estava suspenso da polícia científica por causas disciplinares.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.