Senado da Argentina aprova casamento gay

O Senado argentino aprovou uma proposta de lei que legaliza o casamento gay na manhã desta quinta-feira, o que abre caminho para que o país se torne o primeiro da América do Sul a permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

REUTERS

15 de julho de 2010 | 08h38

Depois de mais de 14 horas de pesados debates, durante os quais milhares de argentinos protestaram em frente ao Congresso, a Casa aprovou a proposta por 33 votos contra 27, com três abstenções.

"Acredito que seja um avanço para a igualdade de direitos", disse a jornalistas o senador Eugenio Artaza depois do debate em que muitos senadores usaram suas crenças católicas para justificar sua posição.

A presidente argentina, Cristina Kirchner, apoia o casamento gay fundamentando-se nos direitos humanos e deve sancionar a proposta de lei depois de retornar de uma visita oficial à China. A proposta foi aprovada na Câmara dos Deputados em maio.

Dezenas de milhares de opositores, desde crianças até freiras, enfrentaram o frio extremo para protestar em frente ao Congresso desde terça-feira, atrapalhando o trânsito em Buenos Aires.

Os debates sobre a proposta de lei começaram na tarde de quarta-feira e continuaram até a manhã de quinta-feira. Algumas centenas de defensores do casamento gay também fizeram vigília aguardando a votação.

Pesquisas de opinião mostram que a maioria dos argentinos apoia o casamento gay, mas existe menos apoio para que casais do mesmo sexo adotem crianças.

O apoio da presidente à proposta de lei, que também permite aos casais homossexuais adotarem crianças, colocou Kirchner contra a influente Igreja Católica um ano antes das eleições presidenciais.

(Reportagem de Magdalena Morales e Karina Grazina)

Tudo o que sabemos sobre:
ARGENTINACASAMENTOGAY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.