Senador da oposição pede investigação de Álvaro Uribe

Congressista denuncia líder colombiano após prisão de ex-deputada acusada de vender voto para reeleição

Reuters,

29 de abril de 2008 | 21h35

Um senador da oposição pediu nesta terça-feira, 29, que uma comissão legislativa investigue o presidente colombiano, Álvaro Uribe, depois da ex-deputada Yidis Medina ter dito que mudou seu voto para permitir a reeleição de Uribe em 2006, após o governo ter lhe oferecido cargos burocráticos.   Veja também: Ex-deputada é presa por vender voto para aprovar reeleição de Uribe   O congressista Luis Carlos Avellaneda, do partido de esquerda Polo Democrático Alternativo, apresentou uma denúncia contra o líder colombiano na comissão de Acusação da Câmara dos Representantes, onde estão em curso outros 163 pedidos contra Uribe.   Mas as possibilidades de que a denúncia vá a adiante parecem remotas diante da ineficiência histórica do organismo para processar os presidentes, segundo dirigentes políticos.   "O presidente tem responsabilidade por se beneficiar diretamente da mudança no voto de Yidis Medina. Ela disse que se reuniu com Uribe para conversar sobre o assunto. Isso deveria ser parte da investigação", disse Avellaneda à imprensa local.   Yidis, uma antiga legisladora do Partido Conservador, se entregou no domingo a Fiscalização, dois dias depois que a Suprema Corte de Justiça ordenou sua captura para lhe processar por suborno, crime que implica entre 5 e 8 anos de prisão.   O escândalo surge após um programa de televisão transmitir uma entrevista com a ex-congressista, gravada em 2004, onde a colombiana assegurava que funcionários do governo Uribe lhe ofereceram três cargos de direção nas dependências governamentais e um consulado para que votasse a favor da reeleição.   O voto de Yidis foi decisivo para a aprovação da reforma na Constituição. A nova controvérsia vem à tona em meio a uma crise política que o país enfrenta, após as denúncias de supostas ligações de pelo menos 32 legisladores com paramilitares.  

Tudo o que sabemos sobre:
Álvaro UribeparamilitaresColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.