Senadora colombiana diz que Ingrid é alternativa de governo

Piedad Córdoba afirma que ex-refém das Farc tem 'aspirações sérias' para o governo da Colômbia

Efe,

11 de julho de 2008 | 19h10

A senadora opositora colombiana Piedad Córdoba disse ver a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt em plena forma física e com aspirações "sérias" para representar uma alternativa de governo na Colômbia. "Ela tem aspirações sérias, grandes. Ela tem todo o direito e seguramente vai construir essa alternativa", disse a senadora do Partido Liberal em entrevista à Agência Efe em Madri antes de uma conferência sobre a situação política colombiana. Veja também:Farc acusam carcereiros de permitirem fuga de refénsO drama de IngridPor dentro das Farc Histórico dos conflitos armados na região   Cronologia do seqüestro de Ingrid BetancourtLeia tudo o que foi publicado sobre o caso Ingrid BetancourtO seqüestro de Ingrid Betancourt  Na opinião de Córdoba, apesar de ter ficado em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) durante seis anos, Betancourt "está em muito boas condições" para se transformar em uma peça chave da política colombiana. "Dá pra ver ela à vontade e, além disso, está muito bem fisicamente, aparentemente está em muito boas condições", insistiu a senadora que hoje fecha em Madri uma viagem pela Europa que já a levou a Barcelona e Estrasburgo. Córdoba reconheceu que a operação do governo que permitiu sua libertação e a de outros 14 reféns das Farc representa um grande êxito para o presidente Álvaro Uribe. Segundo a senadora, o importante da missão foi o resultado, que ressaltou que "pela primeira vez nas operações do governo não há ninguém morto", mas lembrou que foi um resgate militar, algo que ela não defende. Córdoba é partidária de seguir apostando em um acordo humanitário com as Farc como via mais segura para pôr fim ao conflito e acabar com os seqüestros. Para ela, é preciso "analisar se a partir de agora, se vai seguir com outros resgates militares." Sobre o encontro desta sexta-feira, 11, entre o presidente colombiano, Álvaro Uribe, e o venezuelano, Hugo Chávez, a senadora acredita que servirá como uma oportunidade para normalizar as relações e para abordar questões comerciais. "Há um grande interesse por parte do governo de normalizar o assunto comercial porque os empresários começam a sentir isso fortemente", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
Ingrid BetancourtFarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.