Senadora pedirá apoio do papa à troca humanitária na Colômbia

Piedad Córdoba acrescentou que vai recorrer "a todos os espaços de poder" internacionais para buscar acordo

Efe,

26 de setembro de 2007 | 03h33

Parentes de insurgentes presos e de reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) pedirão ao Papa Bento XVI que apóie o acordo de uma troca humanitária entre o governo colombiano e a guerrilha, disse na terça-feira a senadora colombiana Piedad Córdoba. Veja Também'Bush pode nos ajudar em acordo', diz Chávez A legisladora, designada pelo governo de seu país para buscar o acordo, anunciou o pedido antes de participar de uma reunião com o presidente venezuelano, Hugo Chávez, mediador das negociações para o acordo humanitário. Ao lado do presidente da Conferência Episcopal Colombiana, monsenhor Luis Augusto Castro, e do padre Darío Echeverri, secretário da Comissão de Paz e Conciliação da Colômbia, ela disse que tentará marcar "uma reunião com o Papa" para que ele "apóie o acordo humanitário". Além disso, a senadora acrescentou que vai recorrer "a todos os espaços de poder" internacionais para buscar o acordo humanitário, já que "o objetivo é salvar vidas humanas". Horas antes da reunião, Córdoba destacou o papel da Igreja Católica no processo. Ela declarou à emissora Telesur que existem "muitas expectativas" sobre o papel de Chávez e do Papa, "porque é a possibilidade de muito mais atenção para o acordo humanitário".

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbiaBento XVI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.