'Sim' vence referendo sobre autonomia em departament boliviano

O Departamento de Santa Cruz, o maisrico da Bolívia, aprovou por ampla maioria no domingo a suaautonomia em relação a La Paz, num revés para as reformasesquerdistas do presidente Evo Morales, segundo as pesquisas deboca-de-urna. Três outras regiões no leste boliviano pretendem realizarreferendos sobre a autonomia, o que mostra a divisão entre osseguidores do governo e a oposição conservadora. Dados do instituto Focaliza citados na TV local indicam 86por cento dos votos para o "sim" e 14 por cento contra aautonomia. Esse resultado já era esperado, pois os seguidoresde Morales haviam decidido boicotar o referendo, que foiconsiderado ilegal pelo governo e pela Justiça. Não foram divulgadas cifras sobre a abstenção, mas umcomparecimento baixo pode enfraquecer a legitimidade doreferendo. Nas ruas de Santa Cruz, houve um "buzinaço" para comemoraro resultado. "Hoje nasce uma nova Bolívia", disse o governador RubénCostas num comício na praça central da capital regional. As cifras oficiais devem ser divulgadas na segunda-feira. Autoridades disseram que pelo menos 18 pessoas ficaramferidas em confrontos com paus e pedras na cidade de SantaCruz, e uma testemunha da Reuters afirmou que um homem morreudepois de ser atingido por gás lacrimogêneo da polícia. Com o referendo, os líderes conservadores de Santa Cruzesperam ter mais controle sobre os recursos naturais da região,que é a mais fértil do país e concentra cerca de 10 por centodas reservas bolivianas de gás e petróleo. Morales disse que o referendo foi um fracasso, já que maisde 50 por cento dos eleitores se abstiveram ou votaram "não".Mesmo assim, ele se disse disposto a conversar com os novegovernadores a respeito da autonomia. "Espero que os governadores possam me ouvir e que juntospossamos garantir a autonomia das regiões", afirmou ele pela TVapós o fechamento das urnas. Os Departamentos de Beni, Pando (ambos na Amazônia) eTarija (rico em gás) devem realizar referendos semelhantes nospróximos meses. A disputa política agrava as divisões secularesentre o oeste da Bolívia, a região andina com forte presençaindígena, e o leste, uma planície com uma população mais"branca". Morales é o primeiro indígena a governar o país. Santa Cruz ocupa um terço do território boliviano econcentra um quarto da população. Morales vê no referendo umatentativa de desestabilizar seu governo, para impedir asreformas destinadas a dar mais poderes aos pobres e aos índios,por meio de uma nova Constituição, que está em preparação. (Reportagem adicional de Alejandro Lifschitz, David Mercadoe Carlos Quiroga) REUTERS FM

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.