Sindicatos aprovam acordo salarial na Bolívia e greve termina

Trabalhadores concordam com aumento de 11%; paralisação provocou incidentes violentos

Reuters

18 de abril de 2011 | 18h53

Grevistas se reúnem no centro de La Paz, capital boliviana.

 

LA PAZ - Os sindicatos da Bolívia aceitaram nesta segunda-feira, 18, um acordo salarial com o governo de Evo Morales e resolveram encerrar uma greve geral de 11 dias, que paralisou grande parte dos serviços de educação e saúde, embora não tenha afetado a produção no país.

A decisão foi tomada pela assembleia geral de confederações sindicais, que formam a Central Trabalhadora Boliviana (COB), em meio aos duros protestos dos sindicatos de professores, que queriam um aumento maior e rejeitaram até o último momento o reajuste acertado de 11%.

"Resolvemos... assinar o acordo COB-governo e portanto estão suspensas todas as medidas de pressão", disse a jornalistas o líder da organização sindical, Pedro Montes.

Durante todo o conflito, que atingiu La Paz com manifestações violentas nas ruas, os sindicatos pediam um aumento salarial de 15%, cinco pontos percentuais a mais que o inicialmente decretado pelo governo.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviagreveAmérica Latina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.