Wilson Pedrosa/AE
Wilson Pedrosa/AE

Situação em Honduras não pode se prolongar mais, diz OEA

Organização media diálogo entre representantes do governo de facto e líder deposto em Tegucigalpa

Associated Press,

07 de outubro de 2009 | 16h33

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, deu início ao diálogo entre representantes do governo de facto de Honduras, liderado por Roberto Micheletti, e do presidente deposto por um golpe de Estado em 28 de junho, Manuel Zelaya, que ocorre nesta quarta-feira, 7, pedindo soluções imediatas para a crise no país.

 

Veja também:

linkBrasileiro em missão da OEA diz que volta de Zelaya é 'inegociável'

linkHonduras: retorno de Zelaya à Presidência é entrave nas negociações

linkOperação de guerra do Exército cerca embaixada 

linkComitê denuncia abusos do governo de facto 

especialEspecial: O impasse em Honduras   

 

"Não estamos aqui para criar um debate, estamos aqui para encontrar soluções concretas para uma situação que não pode mais se prolongar", disse Insulza, que atua como supervisor do encontro.

 

Em seu discurso, Insulza pediu que fossem considerados no encontro "todos os pontos contemplados pelo Acordo de San José" proposto pelo presidente da Costa Rica, Oscar Arias, em julho. O chefe da OEA lembrou que "o acordo é claro em cinco aspectos. Primeiro, a restituição do presidente eleito pelo povo hondurenho", além da formação de um governo de unidade nacional, a "garantia de Zelaya e outras autoridades para promover a Assembleia Constituinte, anistia política e mecanismos de supervisão internacional".

 

"Queremos buscar consensos claros sobre esses pontos", acrescentou Insulza. "Nada disso deve levar mais tempo", continuou, pedindo às partes que busquem um acordo se "querem o bem de Honduras e a reconciliação nacional".

 

O subsecretário para assuntos do Hemisfério Ocidental do EUA, Thomas Sannon, também presente na reunião, disse "lamentar a ausência de Honduras na comunidade internacional" e pediu uma solução rápida para o impasse, lembrando que o país foi expulso da OEA por conta do golpe de Estado.

 

O chanceler do governo de facto, Carlos López, exigiu à comunidade internacional a "não continuar o debate sobre o governo ser ou não o sucessor constitucional ou se convém ou não apoiar as eleições" de 29 de novembro.

 

Na terça-feira à noite, Micheletti disse que ambas as partes abordarão "com um novo espírito" os temas de que alguma maneira foram objeto de consideração no tratado de San José, solução proposta pela Costa Rica que sugere a anistia política e a restituição de Zelaya.

 

Cada uma das partes é representada por três pessoas. Micheletti tem como delegação a ex-presidente da Corte Suprema de Justiça, Vilma Morales; o advogado Arturo Corrales, ex-candidato presidencial do opositor Partido Democrata Cristão; e advogado Armando Aguilar. Já Zelaya seria representado pelo líder sindical Juan Barahona e seus ministros Víctor Meza, do Governo, e Mayra Mejía, do Trabalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.