Sob tensão, começa preparativo para a cúpula do Grupo do Rio

O Grupo do Rio iniciou naterça-feira as reuniões preparatórias para a cúpula desexta-feira em Santo Domingo, um evento que deve ser marcadopela crise diplomática entre Venezuela, Equador e Colômbia. Os coordenadores dos 19 países do grupo se reuniram na sededo ministério dominicano de Relações Exteriores para discutir oesboço da Declaração de Santo Domingo, que abordará temas deenergia, desastres naturais e desenvolvimento. "Não descarto a possibilidade de que surjam outros temas,especialmente quando há na comunidade internacional grandeexpectativa por uma crise diplomática", disse o embaixadorvenezuelano em Santo Domingo, Francisco Belisario Landis. Os incidentes envolvidos na crise -Álvaro Uribe (Colômbia),Rafael Correa (Equador) e Hugo Chávez (Venezuela)- sãoesperados na cúpula. A crise começou depois de uma ação militar colombianacontra a guerrilha Farc em território equatoriano, que resultouna morte do dirigente rebelde Raúl Reyes. Quito e Caracasreagiram rompendo relações com Bogotá e enviando tropas àfronteira com a Colômbia. Carlos Enrique Muñoz, embaixador do Equador em SantoDomingo, disse à Reuters que Correa deve desembarcar na cidadena quinta-feira à noite. Já a embaixada da Colômbia informouque ainda aguarda a confirmação da visita de Uribe. Belisario Landis disse que a cúpula consta "na agendapresidencial", e que o tratamento dado à crise diplomática nacúpula dependerá "do consenso presidencial, mas também doconsenso dos organizadores" (ou seja, da República Dominicana). "Mas penso que pode surgir de alguma forma este tema, podepropô-lo qualquer outras, não necessariamente a Venezuela",afirmou. Autoridades dominicanas disseram na terça-feira que outroschefes de Estado já confirmaram presença, entre eles os dePanamá, México, Argentina, Chile, Guiana, Nicarágua, ElSalvador, Honduras, Guatemala e Haiti.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.