Sobe para 27 número de baixas das Farc no domingo na Colômbia

Operação foi realizada na fronteira com Equador; entre mortos, está um dos rebeldes mais procurados pela Interpol

Efe,

20 de setembro de 2010 | 17h25

BOGOTÁ- O número de guerrilheiros mortos na grande ofensiva de domingo contra as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) subiu para 27, informou nesta segunda-feira, 20, o diretor da Polícia Nacional colombiana, general Óscar Naranjo, ao entregar o balanço da operação realizada perto da fronteira com o Equador.

 

Em princípio, havia sido informado que a operação tinha causado a morte de 22 pessoas, mas hoje Naranjo afirmou em entrevista coletiva que são 27 os guerrilheiros mortos, todos pertencentes à Frente 48 das Farc.

 

Os bombardeios contra o grupo, comandados pela Força Aérea e pela Polícia Nacional, aconteceram neste domingo nos arredores do rio San Miguel, que fica no departamento (estado) de Putumayo, na fronteira com o Equador.

 

Entre os guerrilheiros mortos está Sixto Antonio Cabañas, conhecido como 'Domingo Bioho' e chefe político da Frente 48, revelou hoje o ministro da Defesa, Rodrigo Rivera.

 

Rivera detalhou que 'Domingo Bioho' fazia parte do Estado-Maior das Farc e era um dos 50 guerrilheiros perseguidos pelos Estados Unidos por narcotráfico. Seu nome estava na lista de mais procurados da Interpol.

 

O guerrilheiro era também muito próximo ao fundador das Farc, Pedro Antonio Marín ('Manuel Marulanda Vélez' ou 'Tirofijo'), e a 'Raúl Reyes', antigo porta-voz internacional do grupo rebelde, ambos mortos em 2008.

 

A Frente 48 das Farc, alvo dos bombardeios, foi responsável pela morte de oito policiais no dia 10 de setembro em San Miguel, no mesmo departamento da operação, em um dos maiores golpes da guerrilha desde que Juan Manuel Santos assumiu a presidência colombiana em 7 de agosto.

 

Os ataques e emboscadas guerrilheiras perpetradas durante setembro deixaram cerca de 40 militares e policiais mortos e levaram a ONU a expressar sua preocupação pelo aumento das hostilidades na Colômbia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.