Sobe para 330 número de mortos por surto de cólera no Haiti

País já registrou mais de 4 mil doentes; ONU investiga se suas tropas iniciaram transmissão

Efe,

29 de outubro de 2010 | 20h07

Haitianos protestam contra Minustah, que acusam pelo surto de cólera

 

PORTO PRÍNCIPE- O número de mortos por cólera no Haiti já somou 330 casos, de acordo com as autoridades sanitárias do país, e o surto da doença aumentou o medo da população de contrair cólera, doença que já infectou mais de 4 mil haitianos.

 

Veja também:

linkPor causa de surto, Haiti muda sistema eleitoral

 

Para evitar a contaminação, os haitianos se negam a comprar alimentos prontos nas ruas e deixaram de comer peixes e legumes, o que preocupa os comerciantes, que acumulam prejuízos. O governo esclareceu que não proibiu a venda dos produtos, mas não orienta o consumo de alimentos crus.

 

O diretor-geral do Ministério da Saúde Pública e de População do Haiti, Gabriel Timothée, destacou que apesar da evolução da doença no país caribenho, as medidas adotadas para enfrentar o surto estão dando resultados.

 

Timothée ressaltou a importância da ajuda internacional de países latino-americanos e europeus e de exemplos como os Estados Unidos, que enviou 400 mil colchões e que nesta sexta-feira enviará outros mil.

 

Conforme o diretor, até o momento não há nenhuma resposta científica para a razão da origem da doença no país. A ONU, no entanto, investiga se o surto foi causado por soldados da missão de paz da organização no país, a Minustah.

 

Testes estão sendo conduzidos na base das tropas nepalesas a serviço da ONU, após a revelação de que o tipo da doença que surgiu no Haiti nas últimas semanas é o mesmo do existente no Nepal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.