Soldados colombianos serão presos por massacre

Soldados colombianos acusados demassacrar 11 pessoas em 2005, incluindo três crianças, tiverama prisão ordenada devido às pistas vindas de paramilitares dedireita que ajudaram a conduzir os assassinatos. O massacre perto da cidade bananeira de San José deApartado no noroeste da Colômbia atraiu atenção internacionalpor causa das acusações de que o Exército cooperou com osgrupos paramilitares. O gabinete da Procuradoria-geral disse que na quinta-feiraque os pedidos de prisão contra 15 soldados tinham base em umdepoimento do ex-paramilitar Jorge Luis Salgado, que disse quemilícias ilegais guiaram patrulhas do Exército em San Jose deApartado. "As crianças estavam embaixo da cama. A menina, com cincoou seis anos, era muito boa e o garoto era esperto também",disse Salgado aos promotores do governo. "Sugerimos aos soldados do Exército que deixássemos ascrianças em uma casa ali perto, mas eles disseram que elas eramuma ameaça, que seriam guerrilheiros no futuro", afirmou. Depois ele contou como um dos soldados, chamado de 'Cobra',pegou a garota pelo cabelo e cortou sua garganta com umamachadinha. No ano passado, o governo sugeriu que o massacre era umaação da principal guerrilha do país, as Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc). O presidente Alvaro Uribe é muito popular por seus ataquescontra os rebeldes e é apoiado pelos Estados Unidos. (Reportagem de Hugh Bronstein)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.