Paolo Aguilar/EFE
Paolo Aguilar/EFE

Suposto laranja de ex-presidente peruano fecha acordo de delação premiada

O empresário israelense Josef Maiman teria ajudado Alejandro Toledo a ocultar US$ 20 milhões em propinas da construtora brasileira Odebrecht

EFE, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2019 | 03h20

LIMA - O Ministério Público do Peru assinou nessa sexta-feira, 29, um acordo de delação premiada com o empresário israelense Josef Maiman, suposto laranja do ex-presidente Alejandro Toledo (2001-2006). Maiman teria ajudado o ex-presidente a ocultar US$ 20 milhões em propinas da construtora brasileira Odebrecht.

O acordo foi assinado em Tel Aviv por Maiman e os procuradores peruanos Rafael Vela e José Domingo Pérez. Eles são os principais encarregados da equipe especial que investiga o braço da operação Lava Jato no Peru.

O empresário já tinha expressado desde 2017 sua intenção de fechar um acordo com o Ministério Público, que acredita que seu testemunho ajudará a reforçar as acusações contra Toledo. O ex-presidente peruano permanece nos Estados Unidos à espera de uma resolução para a solicitação de extradição apresentada pela Justiça peruana.

Segundo a imprensa local, Maiman já declarou que utilizou suas empresas para desviar os pagamentos ilícitos que a Odebrecht fez a Toledo em troca da concessão para a construção de dois trechos da estrada interoceânica do sul, que atravessa o Peru do oceano Pacífico até a Bolívia e o Brasil.

Através destas empresas offshore, situadas em paraísos fiscais, o dinheiro foi supostamente transferido para a sociedade Ecoteva, fundada em 2012 na Costa Rica pela sogra de Toledo, Eva Fernenbug. Por essa empresa costa-riquenha, Toledo supostamente pagou as hipotecas milionárias das propriedades imobiliárias que adquiriu em Lima e nas praias do norte do Peru.

O ex-presidente é acusado de lavagem de dinheiro, colusão e tráfico de influência. Desde fevereiro de 2017 tem uma ordem de captura internacional e um mandato de 18 meses de prisão preventiva contra si.

No entanto, durante todo este tempo permaneceu em liberdade nos EUA, onde tem residência fixa. Até o momento, a Justiça americana ainda não deu resposta à solicitação de sua extradição. O ex-presidente peruano só esteve na prisão uma noite, quando há duas semanas foi detido por estar embriagado em um restaurante de San Francisco.

Toledo é um dos quatro ex-presidentes peruanos investigados no caso Odebrecht. Este é o maior escândalo de corrupção na América Latina, já que a empresa reconheceu ter pagado propina em pelo menos 12 países e também ter feito doações irregulares para financiar as campanhas eleitorais de políticos.

Além de Toledo, também são acusados os ex-presidentes Alan García (2006-2011), Ollanta Humala (2011-2016) e Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), assim como a líder do partido opositor Força Popular, Keiko Fujimori, a ex-prefeita de Lima, Susana Villarán, e o ex-governador da província de El Callao, Félix Moreno.

Tudo o que sabemos sobre:
Alejandro ToledoOdebrechtcorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.