Surto de febre amarela causa indignação e caos no Paraguai

Milhares de paraguaios protestaramnesta terça-feira diante de hospitais estatais para exigir aimunização contra febre amarela, em meio a um surto da doençaque provocou quatro mortes. Desde que foram confirmados os primeiros casos no começo defevereiro, os paraguaios tomaram os centros de saúde para seremvacinados, mas a demanda se intensificou após a aparição dedezenas de pacientes suspeitos na área que rodeia Assunção. Imagens de televisão mostraram como centenas de pessoastentavam derrubar um portão para entrar num centro de vacinaçãona cidade de Luque, considerada foco de risco da doença. "Queremos vacinas", gritavam as pessoas em frente à entradado edifício cercado por policiais enquanto outros saltavam osmuros, num clima de tensão poucas vezes visto nestascircunstâncias. Em Villa Elisa, outra cidade perto de Assunção, osmoradores fecharam um caminho e queimaram objetos após aguardardurante horas para serem atendidos. Incidentes similares foramregistrados também no município de San Lorenzo. "Quero dar tranquilidade à população, vamos seguirvacinando", disse em entrevista coletiva o ministro da SaúdePública e Bem-estar Social, Oscar Martínez Doldán. O ministério informou que de sete casos suspeitos demortos, três foram descartados e os outros quatro sãoconsiderados altamente prováveis. O Paraguai recebeu doses da vacina do Brasil e do Peru. (Reportagem de Daniela Desantis)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.