Suspeitas de leptospirose na Nicarágua passam de 3 mil

A epidemia no país começou dia 21 de outubro

EFE,

03 de novembro de 2007 | 03h22

O número de suspeitos de contágio com leptospirose na Nicarágua aumentou nesta sexta-feira, 2, de 2.700 para 3.331, mas o total de mortos se mantém em nove, informou o vice-ministro da Saúde, Guillermo González. González apresentou um relatório durante uma reunião com o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega. Ele disse que o Ministério da Saúde cataloga como suspeito qualquer paciente que apresente sintomas semelhantes aos da leptospirose. A epidemia no país começou dia 21 de outubro. González enfatizou que o paciente é considerado suspeito até ser comprovado que ele não tem leptospirose. "A direita anda dizendo que perdemos o controle da epidemia, mas o que dizemos reflete a responsabilidade com que trabalhamos", disse o vice-ministro. A maioria dos casos, acrescentou, se concentra nas províncias de Chinandega e León, no oeste do país, castigado nos últimos dois meses por fortes chuvas. Dos nove mortos, somente três casos foram confirmados como vítimas de leptospirose. Os outros estão em estudo. González explicou que, apesar do número de suspeitos, somente pouco mais de 800 pessoas foram hospitalizadas em todo o país, e hoje apenas 75 estão internadas.

Tudo o que sabemos sobre:
epidemialeptospirose

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.