Taiwan dá asilo político temporário para filha de Zelaya

Concessão não constitui interferência na crise política e é apenas questão humanitária, diz governo taiwanês

Efe,

29 de setembro de 2009 | 03h08

O Ministério de Relações Exteriores de Taiwan defendeu nesta terça-feira, 29, a concessão de asilo político temporário, em sua embaixada de Tegucigalpa, à filha mais nova do deposto presidente de Honduras, Manuel Zelaya. "A filha mais nova de Zelaya pediu asilo político em nossa embaixada em Honduras dia 28 de junho. Estava grávida e aceitamos seu pedido por motivos meramente humanitários", disse o chanceler taiwanês, Timothy C.T. Yang, em entrevista coletiva.

 

Veja também:

linkMicheletti já admite rever estado de sítio 

link''Estado de exceção deve prolongar crise'' 

linkEUA condenam Zelaya e criticam 'os que o ajudaram'

linkEntrevista Aliás: Gigante ou anão diplomático?

lista Ficha técnica: Honduras, pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno

video TV Estadão: Jornalistas do 'Estado' discutem impasse

video TV Estadão: Ex-embaixador comenta caso Zelaya

 

A concessão de asilo à filha de Zelaya não constitui interferência alguma na luta política interna de Honduras, apontou o chanceler taiwanês. "A embaixada informou ao governo interino de Honduras de sua decisão de conceder asilo à filha de Zelaya desde o primeiro momento", assinalou Yang.

 

A filha de Zelaya e sua menina de 5 anos estiveram na embaixada até dia 10 de julho, assinalou Yang, que acrescentou que o atual governo de fato presidido por Roberto Micheletti não se opôs à concessão do asilo.

 

Taiwan segue de perto a situação em Honduras, um dos 23 aliados diplomatas da ilha, e defende a neutralidade política perante as disputas políticas internas do país centro-americano.

Tudo o que sabemos sobre:
ZelayafilhaTaiwan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.