Tempestade Arlene provoca fortes chuvas no México

A tempestade Arlene, a primeira da temporada de furacões do oceano Atlântico, perdeu força e se transformou em depressão tropical, mas provocou chuvas torrenciais na costa nordeste do México, e seus efeitos se estendiam a grande parte do país.

ALBERTO FAJARDO, REUTERS

30 de junho de 2011 | 22h32

Apesar de não alcançar a categoria de furacão, Arlene, por seu amplo diâmetro que foi se expandindo até superar os 1.500 quilômetros, provocava chuvas e violentas rajadas de vento em 21 Estados e na Cidade do México, depois de entrar durante a madrugada no norte de Veracruz, um dos mais povoados do país.

A tempestade, que soprava ventos máximos sustentados de 55 quilômetros por hora, estava 135 quilômetros a oeste do porto de Tuxpan, onde choveu por várias horas, assim como em outras regiões do país.

O Serviço Meteorológico Nacional do México disse que o índice de perigo do fenômeno natural era forte e que estava carregado por uma enorme quantidade de água.

Em Tuxpan, ao sul de Cabo Rojo, região atingida pela tempestade, foram registradas na manhã de quinta-feira fortes rajadas de vento e chuvas que derrubaram árvores.

"O aguaceiro está fortíssimo lá fora, é a primeira vez que vejo chover assim aqui", disse Juana Manrique, de 23 anos, em Tuxpan. "Apenas fui levar meu filho ao pediatra e não tem quase ninguém nas ruas. Agora vou me fechar dentro de casa e não sair de jeito algum."

A coordenadora nacional da Defesa Civil, Laura Gurza, disse que estava muito preocupada com a acumulação de água, sobretudo na serra de uma região indígena conhecida como La Huasteca, nos Estados de San Luis, Potosí, Veracruz, Tamaulipas, Hidalgo e Puebla.

Tudo o que sabemos sobre:
MEXICOARLENECHUVAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.