Tempestade mata dez petroleiros e fecha portos no México

Equipes de resgate buscam possíveis sobreviventes em dois botes à deriva no mar revolto

José Cortazar, da Reuters,

24 de outubro de 2007 | 19h23

Uma tempestade matou dez trabalhadores mexicanos que fugiam de uma plataforma de petróleo, e equipes de resgate procuravam nesta quarta-feira, 24, possíveis sobreviventes em dois botes à deriva no mar revolto. A estatal petrolífera Pemex disse, em nota, que 58 pessoas foram resgatadas em um bote salva-vidas, mas dez trabalhadores morreram em um acidente no campo petrolífero Kab, no sudeste do golfo do México. Carlos Morales, chefe de Exploração e Produção da Pemex, disse que esse foi o pior acidente da história da empresa. O número de mortos ainda pode subir, já que o mau tempo impede a Marinha de alcançar cerca de 24 pessoas retidas em dois outros botes. Os ventos, o mar agitado e a má visibilidade também provocaram o fechamento dos principais portos mexicanos, prejudicando as exportações de petróleo do país. "A operação de resgate prossegue neste instante", afirmou Carlos Ramírez, porta-voz da Pemex. "Ainda não podemos acessar os botes nem as pessoas dentro deles porque as ondas estão muito fortes." Todos os 81 funcionários presentes na plataforma de petróleo Usumacinta saltaram nos botes salva-vidas quando as enormes ondas fizeram a plataforma cair sobre um equipamento adjacente, na noite de terça-feira, provocando um vazamento de gás e petróleo. Havia temores de que alguns trabalhadores tivessem caído no mar. As equipes de resgate usaram oito helicópteros e quatro barcos para tentar chegar aos dois botes, mas a operação foi inviabilizada por causa das ondas de até 6 metros. Alguns marinheiros envolvidos no resgate estão desaparecidos. (Reportagem adicional de Cyntia Barrera Diaz, Jason Lange e Catherine Bremer)

Tudo o que sabemos sobre:
MéxicoPemex

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.