Tempestade Noel deixa 81 mortos na sua passagem pelo Caribe

Fenômeno ganhou força nas águas do Caribe e está sobre as Bahamas; estado da Flórida está em alerta

Efe,

01 de novembro de 2007 | 02h08

A tempestade tropical Noel causou a morte de pelo menos 81 pessoas na República Dominicana, Haiti e Jamaica, e passa agora sobre as Bahamas, depois de ganhar força nas águas do Caribe. As autoridades dos países afetados ainda contabilizam os devastadores efeitos da tempestade. As chuvas começaram na segunda-feira na ilha de Hispaniola. O fenômeno, que mantém sob alerta o estado da Flórida (Estados Unidos), foi mais devastador na República Dominicana. O país registrou 56 mortos, 27 desaparecidos, dezenas de comunidades isoladas e milhares de pessoas nos tetos de suas casas, à espera de resgate. A situação de catástrofe é geral no país, com 58.328 pessoas desabrigadas, 21 pontes e estradas destruídas, dezenas de municípios sem eletricidade e 14.582 imóveis afetados. Noel também destruiu a quase totalidade da produção de bananas, tomates, arroz e cebola da República Dominicana. As autoridades ainda não detalharam o montante aproximado dos danos. O diretor da Defesa Civil dominicana, Luis Luna Paulino, revelou que mais de 2 mil pessoas permanecem nos tetos de suas casas na província de San Francisco de Macorís, no nordeste. Apesar do panorama de desolação, o setor turístico dominicano, a maior fonte de divisas do país, não sofreu danos graves. A chegada de visitantes também não deverá ser afetada na alta temporada, que começa em dezembro, segundo informou à Efe um executivo do setor hoteleiro. Países como Espanha e Taiwan anunciaram o envio de ajuda ao país. O presidente dominicano, Leonel Fernández, declarou situação de emergência nacional, para facilitar a contratação dos bens e serviços necessários para enfrentar o desastre. Nas cidades de Nova York e Miami (EUA), legisladores e organizações pediram ajuda para as vítimas do Noel na República Dominicana. Haiti e Jamaica No Haiti, as autoridades informaram a morte de pelo menos 24 pessoas e o desaparecimento de cinco. Outras 15 sofreram ferimentos por causa das chuvas e inundações. A Defesa Civil informou além disso que 3 mil pessoas tiveram que ser retiradas de suas casas em diferentes pontos do país. Cerca de 80 casas foram destruídas e 300 danificadas. Além de Porto Príncipe, as regiões mais afetadas são Grand-Goave, Petit-Goave, Marigot, Arcahaie, Ghantier e Croix des Bouquets. Em Jacmel, no sudeste do país, o presidente da Assembléia Nacional, o senador Joseph Lambert, pediu que autoridades e ONGs enviem comida, porque "a fome começa a deixar as pessoas angustiadas". O Noel também causou pelo menos uma vítima na Jamaica. Uma mulher morreu quando parte de sua casa de dois andares desabou devido às fortes chuvas, segundo a imprensa. Cuba As autoridades de Cuba informaram que o Noel saiu do país sem causar vítimas, mas forçando a remoção de milhares de pessoas. O chefe do Centro de Previsões do Instituto de Meteorologia cubano, José Rubiera, disse à Efe que o Noel abandonou Cuba por Cayo Coco, por volta das 8 horas (13 horas de Brasília), para recuperar intensidade em seu caminho rumo à ilha Andrew e Bahamas. Em Santiago de Cuba foram evacuadas 700 pessoas, e em Camagüey, 1.200. Mais de 100 casas sofreram danos. O Noel também disparou os alarmes na Colômbia, cujas autoridades alertaram os habitantes de algumas regiões caribenhas a tomar as precauções contra o possível aumento das chuvas por causa da tempestade. O Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos anunciou que o Noel ganhou força nas águas do Mar do Caribe, após sair de Cuba, e chegará às Bahamas e possivelmente à costa sudeste do estado da Flórida.

Tudo o que sabemos sobre:
tempestade tropicalfuracão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.