Corpo de Bombeiros da Guatemala/Efe
Corpo de Bombeiros da Guatemala/Efe

Tempestade tropical na América Central deixa ao menos 131 mortos

Deslizamentos e enchentes causaram destruição em países como Guatemala, Honduras e El Salvador

Reuters

31 de maio de 2010 | 15h46

GUATEMALA - Enchentes e deslizamentos de terra provocados pela primeira tempestade tropical do ano deixaram ao menos 131 pessoas mortas em países da América Central, informaram autoridades nesta segunda-feira, 31.

 

Veja também:

linkTempestade Agatha desacelera, mas chuva continua

 

Dezenas ainda estão desaparecidos, milhares ficaram desabrigados e equipes de resgate estão trabalhando para alcançarem comunidades que ficaram isoladas com a destruição de rodovias e pontes provocada pelo fenômeno meteorológico que ganhou o nome de "Agatha".

 

A Guatemala é o país que concentra o maior número de vítimas fatais da tempestade, 108 segundo as autoridades locais. As comunidades indígenas do país foram as que mais sofreram com os deslizamentos de terra, contabilizando 60 mortos.

 

"O estado está em situação de colapso. Há muitos mortos, as estradas estão bloqueadas, os abrigos foram inundados e precisamos de todo tipo de ajuda como água, comida, roupas e cobertores", afirmou Erick de Leon, governador da província de Chimaltenango, ao oeste da capital do país.

 

O presidente da Guatemala, Alvaro Colom, afirmou que choveu 10,8 cm em um período de 12 horas neste último domingo. Segundo Colom, mais de 100 mil pessoas tiveram de deixar seus lares.

 

Em Honduras, onde foram registradas 14 mortes, milhares também foram obrigados a evacuar de suas residências. Os meteorologistas preveem mais três dias de fortes chuvas no país. No Haiti, duas barragens transbordaram próximas a Tegucigalpa e o governo local alertou a população para ficar distante das fortes correntes de água que atingem a região.

 

Deslizamentos, em um total de 140, também provocaram grandes danos em El Salvador, o que fez com que mais de 11 mil pessoas abandonarem seus lares. Segundo o presidente Mauricio Funes, o país contabiliza nove mortes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.