Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Terremoto de 5,6 graus atinge Guantánamo

Construções sofreram danos superficiais; não há relatos de vítimas

20 de março de 2010 | 18h41

Reuters

 

GUANTÁNAMO- Um terremoto de 5,6 graus na escala Richter atingiu a cidade cubana de Guantánamo neste sábado, 20, e a base naval norte-americana instalada no local, gerando pânico entre os habitantes e trincas em alguns edifícios.

 

O tremor teve epicentro a 43 km ao sudoeste de Guantánamo e uma profundidade de 22 km, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês).

 

Um sismo de magnitude 5 pode provocar danos consideráveis, mas um porta-voz da base dos EUA disse que não houve danos na instalação, que abriga uma prisão com detidos suspeitos de terrorismo. Um alerta de tsunami também não foi emitido para a região.

 

Os moradores da cidade disseram ter sentido "o chão sacudir". "Foigrandíssimo, Eu estava no computador no momento e senti uma sacudida forte, e saímos à rua. Estava todo mundo na rua. No centro da cidade não aconteceu nada, está tudo normal", disse a cubana Lissett Foster, proprietária de uma casa que aluga quartos a estrangeiros em Guantánamo.

 

O tremor também foi sentido em Santiago del Cuba, a segunda maior cidade da ilha, localizada a 50 km do epicentro. "Foi sentido bastante forte. Durou mais que o normal, os telefones só estão recebendo chamadas", relatou Adriana, uma cubana de 34 anos que mora na cidade.

 

A emissora de rádio estatal Radio Relógio afirmou que em Guantánamo houveram danos pequenos, como rachaduras de paredes e alguns deslizamentos de alvenaria.

 

A base norte-americana de Guantánamo, no sudeste de Cuba, foi usada para transportar suprimentos e pessoal no esforço de ajuda após o devastador terremoto registrado no Haiti em 12 de janeiro.

 

Uma prisão na base, construída para manter suspeitos de terrorismo após os ataques de 11 de setembro, aloja hoje 188 prisioneiros.

 

O presidente Barack Obama prometeu em janeiro de 2009 acabar com a prisão no prazo de um ano, mas seus esforços não foram suficientes para cumprir sua meta.

Tudo o que sabemos sobre:
terremotoCubaGuantánamo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.