Terremoto de magnitude 6 atinge sul do Peru

Um terremoto de magnitude 6 atingiu osul do Peru na manhã de terça-feira, assustando os moradores dasegunda maior cidade desse país, Arequipa, que saíram às ruasem meio ao tremor. O epicentro do abalo sísmico ficou localizado 53quilômetros a norte-noroeste de Arequipa, segundo o ServiçoGeológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês). E suaprofundidade foi de 74 quilômetros. Policiais e integrantes da Defesa Civil do Peru disseramnão haver informações ainda sobre feridos ou danos, mas osterremotos de magnitude 6 são capazes de provocar grandesestragos. Testemunhas contaram que as pessoas recusavam-se aregressar para suas casas depois do abalo, temendo que essasruíssem em virtude dos tremores pós-terremoto. Pedaços de terra caíram sobre a estrada costeira do Peru, eo abalo foi sentido nas Províncias de Moquegua e Tacna (ambasno sul peruano), afirmaram autoridades. O tremor fez-se sentirtambém no norte do Chile, uma região rica em minerais. Segundoautoridades chilenas, não foram registrados danos ou feridosnaquela região. Carlos Nacarino, chefe distrital da agência de defesa civildo Peru, disse que o epicentro havia ficado em uma áreadespovoada. Ainda assim, houve relatos sobre casos isolados decorte de energia. A terceira maior mina de cobre do país, o complexo de CerroVerde, da empresa Freeport-McMoRan, fica perto da cidade deArequipa. E a Southern Copper possui uma mina e uma fundidorana Província vizinha de Moquegua. A Freeport afirmou que sua mina não havia sido danificadapelo terremoto. "Não tivemos impacto nenhum e nenhum ferido.Tudo está bem", disse um porta-voz da empresa. Não puderam ser encontrados dirigentes da Southern Copper,que fica ainda mais longe da área do abalo sísmico, para semanifestarem sobre o ocorrido. Arequipa fica cerca de 720 quilômetros ao sul de Lima(capital). O centro histórico da cidade passou a integrar oPatrimônio Histórico da Humanidade em 2000, por determinação daUnesco.(Reportagem de Miguel Zegarra em Arequipa, Rodrigo Martínez emSantiago e Anna Stablum em Londres)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.