Terremoto deixa dois mortos e dezenas feridos no Chile

Tremor também provocou grandes danos materiais; réplicas são sentidas em quatro estados brasileiros

Agências internacionais,

14 de novembro de 2007 | 19h43

O forte tremor de 7,7 graus na escala Richter que atingiu o norte do Chile nesta quarta-feira, 14, deixou ao menos dois e centenas de feridos, além de grandes danos materiais. Veja TambémTerremoto no Chile é sentido em quatro Estados do BrasilTerremoto de  7.7 graus atinge o norte do Chile De acordo com o jornal chileno La Tercera, duas mulheres são as vítimas fatais do tremor. Leontina Espejo, de 88 anos, foi soterrada por um muro que desabou enquanto caminhava pelo centro de Tocopilla, a 1.556 quilômetros ao norte de Santiago. A segunda vítima é uma mulher de 54 anos de nome Olga Petronila Ortiz, da mesma cidade. Ainda segundo a versão eletrônica do diário, só em Tocopilla, o total de feridos passa de 115 pessoas. Mas, de acordo com o diretor do hospital da cidade, apenas dois deles estão em estado grave - um em estado crítico. Os outros apresentam fraturas e contusões menores. O Instituto de Sismologia da Universidade do Chile localizou o epicentro do tremor, ocorrido às 12h43 locais (13h43 de Brasília), no Deserto do Atacama, 35 quilômetros ao leste da cidade de Tocopilla. O epicentro aconteceu a 59 quilômetros de profundidade, disse o órgão, com uma duração de 40 segundos. O tremor, que abalou desde a fronteira com o Peru até a região metropolitana de Santiago, no centro do país, gerou pânico na população. O governo se reuniu imediatamente para analisar a situação e foi anunciada a viagem à região do ministro do Interior, Belisário Velasco, além do envio de um avião com o primeiro pacote de ajuda às áreas afetadas. Segundo Velasco, a maioria dos feridos correspondem às localidades de Tocopilla e María Elena, ambas na região de Antofagasta.  Danos materiais O terremoto deixou estradas interditadas e interrompeu o serviço telefônico e elétrico em algumas cidades do norte do país, segundo o Escritório Nacional de Emergência.De acordo com Carlos Aranda, especialista do Serviço Sismológico da Universidade do Chile, este tipo de tremor em geral é desastroso, mas dado o lugar e a profundidade só foram afetadas casas muito antigas. Em Arica, Iquique e Huara, na fronteira com o Peru, o tremor atingiu uma intensidade de 6 graus na escala internacional de Mercalli, que vai de 1 a 12, enquanto que em Antofagasta e Tocopilla o tremor chegou oito graus. Em Antofagasta e Calama, a 150 quilômetros de distância, foram registrados cortes no fornecimento de energia e de telefone. Além disso, o aeroporto de Antofagasta foi fechado e vários prédios foram esvaziados, de acordo com relatos das rádios locais. Em Tocopilla, cerca de 30% das casas feitas de adobe apresentam risco de desabamento. "As casas em María Elena e em Quillagua (em Tocopilla) são em sua maioria de adobe com reboco de cimento, por isso 70% dos imóveis sofreram muitos danos", disse o prefeito. Na cidade de Antofagasta, o terremoto causou cortes de energia elétrica, desabamentos, o colapso das comunicações e a queda de uma enorme marquise do Hotel Radisson, que achatou dois automóveis, mas sem feridos. Réplicas no Peru e Brasil O tremor foi sentido também no sul do Peru, desde a cidade fronteiriça de Tacna até Arequipa, nos Andes, cerca de mil quilômetros ao sul de Lima, afirmaram a polícia e testemunhas. "As pessoas saíram às ruas na hora do terremoto. Houve bastante alarme, mas não houve vítimas nem danos materiais", disse a jornalistas o chefe da polícia regional da cidade de Arequipa, Hernán Tamayo. Pelo menos quatro bairros de São Paulo sentiram reflexos do tremor de magnitude 7,7 graus que atingiu o norte do Chile na tarde desta quarta-feira, 14. O tremor foi sentido nos bairros da Mooca, Jardins, Ipiranga e no centro da cidade, segundo informações da Defesa Civil de São Paulo. O tremor também foi sentido em Brasília, Curitiba e Porto Alegre, segundo o professor George Sand França, do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB). .

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.