Terremoto no Haiti matou dezenas de milhares, diz Hillary

Terremoto no Haiti matou dezenas de milhares, diz Hillary

Secretária de Estado dos EUA suspendeu viagem a Ásia para coordenar ajuda americana ao país caribenho

estadao.com.br,

14 de janeiro de 2010 | 10h53

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse nesta quinta-feira, 14, que o terremoto da última terça no Haiti pode ter deixado dezenas de milhares de mortos e que os EUA irão entregar ajuda de longo prazo ao país, o mais pobre das Américas.

 

Veja também:

linkHaitianos passam noite nas ruas entre corpos e escombros

linkBrasil e EUA pedirão mais doações ao Haiti em reunião

especialVeja o mapa com os principais locais afetados

 

"Esta tragédia afetou três milhões de pessoas e destruiu milhares de edifícios. Sabemos que há dezenas de milhares de mortos", disse Hillary, em entrevista à rede de TV NBC.

Na quarta-feira, o presidente do Haiti, René Preval, disse que o número de mortos pode variar entre 30 mil e 50 mil. Horas antes, o primeiro-ministro Jean-Max Bellerive tinha dito à CNN que os mortos podiam chegar a 100 mil.

VEJA TAMBÉM:
\"especial\" Tragédia e destruição no Haiti
\"especial\" Os piores terremotos na América Latina
\"especial\" Os piores terremotos da década
blog Blog: repercussão em tempo real
blog População do Haiti se comunica com mundo via Web
\"som\" Representante da OEA fala do tremor
\"mais A tragédia em imagens
\"lista\" Leia tudo que já foi publicado

Hillary afirmou ainda que o alcance da tragédia é inimaginável. A secretária de Estado, porém, disse que "ainda é cedo para calcular o número de mortos" deixados pelo terremoto e indicou que os EUA e o mundo "devem fazer o possível para ajudar o Haiti a sair de seu ciclo de desespero".

 

"Estamos fazendo todo o possível para determinar qual é a melhor maneira de encarar esta devastação e este será um esforço de longo prazo", acrescentou Hillary.

 

Viagem 

 

Hillary decidiu suspender sua viagem pela Ásia e região do Pacífico, que iniciou na última segunda-feira, 11, e vai voltar para Washington para supervisar a resposta do governo em relação ao desastre no Haiti.

 

Além disso, Hillary dos Estados Unidos conversou com o chanceler brasileiro, Celso Amorim, e o presidente da República Dominicana, Leonel Fernandez e entre outros líderes para poder definir melhor quais foram os estragos do desastre, no qual ela afirmou que "será um das piores tragédias dos últimos anos em quantidade de vidas perdidas".

Com informações da Associated Press e da Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.