Tiros atingem ao menos 2 em manifestação contra Chávez

Pelo menos duas pessoas foram baleadasna quarta-feira numa universidade venezuelana depois de umagrande passeata estudantil contra a reforma constitucional comque o presidente Hugo Chávez pretende obter o direito de sereeleger indefinidamente. Várias pessoas foram hospitalizadas por causa de incidentesno campus depois da passeata que reuniu milhares de estudantes. Embora as exatas circunstâncias permaneçam obscuras, é aprimeira vez na atual campanha para o referendo de dezembro quehá feridos graves. Há poucos dias, Chávez disse que a oposiçãopretendia provocar violência para desestabilizar o país. O diretor da Defesa Civil, Antonio Rivero, disse à redeGlobovisión no local dos incidentes que pelo menos duas pessoasforam baleadas. A TV mostrou homens encapuzados atirando objetos contrasalas da universidade, e outras pessoas, aparentemente alunos,fugindo. Testemunhas disseram à Globovisión que os agressoresdispararam pistolas e jogaram cilindros de gás lacrimogêneo. Uma testemunha da Reuters no local disse que os transeuntesnão sabiam dizer como a violência começou. Após os incidentes iniciais, supostos seguidores de Chávezpercorreram a área de moto fazendo disparos para o alto,segundo a testemunha. Rivero disse que a prioridade da Defesa Civil era garantirque as pessoas não envolvidas no incidente pudessem sair daárea com segurança. A Globovisión, que costuma representar a voz da fracaoposição a Chávez, disse que o governo não deveria usar oincidente como pretexto para uma ocupação militar de campusuniversitários, o que seria uma violação à lei que lhes garanteautonomia. (Reportagem de Saul Hudson)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.