Tiroteios paralisam cidade mexicana na fronteira com os Estados Unidos

Cidade de Nuevo Laredo é mais uma que sofre com disputa entre cartéis de drogas

AP,

22 de julho de 2010 | 17h26

NUEVO LAREDO, MÉXICO- Soldados da cidade de Nuevo Laredo, na fronteira com os Estados Unidos, entraram em confronto nesta quinta-feira, 22, com bandidos que obrigavam motoristas a usar seus veículos para bloquear as ruas, em tiroteios que só terminaram na madrugada.

 

A prefeitura advertiu os habitantes para permanecerem em suas casas enquanto disparos ocorriam em várias áreas da cidade durante a noite.

 

Em Laredo, do lado americano, pessoas assustadas com o barulho dos tiros chamaram o serviço de emergência, de acordo com um porta-voz policial, que acrescentou que a violência não atravessou a fronteira.

 

Funcionários da prefeitura de Nuevo Laredo não confirmaram as versões de fontes, de que vários pistoleiros foram mortos.

 

Os criminosos usaram carros e caminhões para fechar as avenidas principais que cruzam Laredo, Texas. Vários residentes denunciaram o roubo de deus automóveis.

 

Uma vez que a calma foi restabelecida, a prefeitura pediu à população para se apresentar e reclamar seus veículos.

 

Nuevo Laredo é uma das várias cidades fronteiriças com os EUA sitiadas pela guerra entre o Cartel do Golfo e seus integrantes anteriores, agrupados na gangue Los Zetas.

 

No estado de Chihuahua, no norte do país, um cartel ameaçou praticar atos de violência contra "inocentes" a menos que o governo destitua seu chefe de inteligência policial, Fernando Ornelas.

 

Milhares de mortos

 

Desde janeiro de 2008, quase 6.000 pessoas foram assassinadas em Ciudad Juárez, cidade mais violenta do país vizinha a El Paso, no Texas.

 

Em todo o país, mais de 25.000 pessoas morreram pelas mãos do crime organizado desde que Felipe Calderón chegou a presidência, há mais de três anos e meio. Os cartéis se enfrentam entre si e contra as forças de segurança pelas lucrativas rotas de drogas até os Estados Unidos, principal mercado do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.