Trabalhadores marcham até sede do governo argentino contra presidente

Milhares de trabalhadores convocados pelos principais grupos de oposição marcharam nesta quarta-feira até a sede do governo da Argentina em protesto contra as políticas econômicas da presidente Cristina Kirchner.

Reuters

14 Maio 2014 | 20h07

A grande manifestação acontece no momento em que a inflação elevada e o estancamento da economia reduzem o poder aquisitivo dos trabalhadores e ameaçam afetar os empregos, um dos indicadores que o governo se gaba de ter melhorado nos últimos anos.

Um ano antes das eleições presidenciais, nas quais Cristina Kirchner não poderá se reeleger, vários sindicalistas desafiam o poder da mandatária enquanto decidem com qual candidato irão se alinhar em 2015.

Alguns dos mentores das manifestações são o poderoso líder dos caminhoneiros, Hugo Moyano, e o representante gastronômico Luis Barrionuevo.

"Estão em jogo nossos filhos, nossos netos", disse Barrionuevo em um discurso sucinto diante da Casa Rosada.

Os manifestantes pediram ao governo medidas contra a inflação alta, a insegurança urbana e a pobreza.

A Argentina padece uma das maiores taxas de inflação do mundo, que neste ano pode superar os 30 por cento, enquanto a economia está dando sinais de esgotamento depois de quase uma década de forte crescimento.

(Reportagem de Nicolás Misculin)

Mais conteúdo sobre:
ARGENTINA PROTESTOS GOVERNO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.