Trabalhadores reclamam do trauma de lidar com corpos no Haiti

Ao menos 80 mil pessoas foram enterradas em covas coletivas; governo haitiano estima que até 200 mil morreram

AP,

21 de janeiro de 2010 | 10h28

Cova coletiva foi aberta ao lado de um cemitério na cidade de Leogane, no Haiti

 

PORTO PRÍNCIPE - Equipes de resgate usam tratores para construir covas coletivas e enterrar ao menos 10 mil corpos de vítimas do terremoto do último dia 12 no Haiti. Ao menos 80 mil pessoas já foram enterradas, mas o governo haitiano estima que até 200 mil podem ter morrido no desastre. Entre 1,5 milhão e 2 milhões de pessoas estão desabrigadas e 250 mil precisam urgentemente de ajuda, informou a Comissão Europeia, citando informações do governo do Haiti.

 

Veja também:

linkEncontrado corpo de 20ª vítima brasileira

linkBebê de 22 dias é salvo 'por milagre'

linkNovo tremor abala o Haiti e leva pânico à capital e ao interior

 

Em Titanyen, ao norte de Porto Príncipe, trabalhadores reclamavam do trauma provocado pela tarefa de lidar com um fluxo interminável de corpos. "Eu vi muitas crianças. Muitas mesmo. Não consigo dormir. E quando consigo tenho muitos pesadelos", disse Foultone Fequiert, de 38 anos, com uma camiseta cobrindo o rosto para evitar o mau cheiro.

 

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

Os trabalhadores dizem que não há tempo para funerais religiosos ou de enterrar os corpos em covas individuais. "Nós simplesmente estamos colocando os corpos dentro das valas e fechando-as", relata Luckner Clerzier, de 39 anos, que está trabalhando no transporte dos corpos para os locais das covas coletivas.

 

Um repórter da Associated Press contou 15 covas coletivas no local onde Clerzier está trabalhando, cada uma com cerca de oito metros de profundidade. Na maior cova, onde Fequiert estava ajudando, três tratores removiam mais terra para expandir a vala e outros depositava mais corpos, que não paravam de chegar.

 

Uma agência de adoção holandesa afirmou nesta quinta-feira que um avião com 109 crianças órfãs decolou de Porto Príncipe rumo à Holanda. Todas as crianças a bordo já se encontravam em processo de adoção antes mesmo do terremoto atingir o Haiti.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.