Três corpos são achados em Porto Príncipe em dia calmo

Organização Médicos Sem Fronteiras afirmam que socorreram mais de 60 feridos em três dias

Efe,

11 de abril de 2008 | 02h28

Depois de mais de uma semana de protestos por causa da inflação alta, três corpos foram achados nesta quinta-feira, 10, na capital do Haiti em meio a um clima de aparente calma. Os cadáveres foram encontrados em ruas do centro de Porto Príncipe, nos arredores do bairro de Bel Air. Aparentemente, os mortos, dois homens e uma mulher, foram executados. Veja também General brasileiro no Haiti diz que protestos estão sob controle Manifestantes aguardam renúncia de primeiro-ministro do Haiti Senadores exigem renúncia do premiê do Haiti após distúrbios Haiti anuncia subsídios para conter onda de protestos Também nesta quinta-feira, a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) comunicou à Agência Efe que socorreu mais de 60 feridos nos últimos três dias, 31 dos quais tinham sido baleados. "O acesso aos feridos é difícil", declarou a responsável pela MSF no Haiti, Jessica Neerkorn, segundo quem as ambulâncias têm "sérias" dificuldades para chegar até aqueles que precisam. Neerkorn também disse que, apesar de a situação ser "imprevisível", sua organização não teve problemas com a violência dos últimos dias. Na capital haitiana, as ruas continuam cheias de entulhos que dificultaram a circulação de veículos. O transporte público está parado, razão pela qual é possível se deparar com centenas de pessoas aglomeradas em determinados pontos à espera de um veículo. As atividades econômicas e administrativas também continuam suspensas. Já o setor privado, sobretudo o comércio, começou a avaliar os prejuízos que teve. A Associação de Distribuidores de Produtos Derivados do Petróleo disse que 20 postos de gasolina foram incendiados nos últimos três dias. Por sua vez, a Câmara de Comércio e Indústria classificou como uma "catástrofe" a situação que as empresas enfrentaram. Em Carrefour, periferia sul de Porto Príncipe, três soldados da missão da ONU no país, a Minustah, ficaram feridos enquanto tropas dispersavam centenas de pessoas que tentavam provocar distúrbios. Novas manifestações também foram registradas em Pestel (sudoeste), Jacmel (sudeste), Petit-Goave (sul), Gonaives e Saint Marc (norte).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.