Treze rebeldes morrem em ofensiva contra chefe das Farc

Operação é realizada na selva desde semana passada após descoberta de 11 cavernas usadas por Jorge Briceño

Reuters,

16 de março de 2009 | 21h42

Treze guerrilheiros das Farc morreram e mais 13 foram capturados pelo Exército da Colômbia na última semana, em meio a uma ofensiva para capturar ou matar um dos principais comandantes do grupo rebelde, informaram autoridades militares nesta segunda-feira, 16. As operações são realizadas numa ampla região de selva dos departamentos de Meta, Caquetá e Guaviare, após a descoberta de 11 cavernas usadas pelo chefe militar das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Jorge Briceño, para esconder-se e fugir de uma ofensiva contra ele.

 

Veja também:

linkPor dentro das Farc especial

linkHistórico dos conflitos armados na região  especial

 

"Temos tido uma série de combates contra estruturas das Farc nos quais foram mortos 13 terroristas, de igual forma capturamos mais 13, enquanto nove foram desmobilizados", disse a jornalistas o general Javier Flórez, comandante da Força de Tarea Omega.

 

As Forças Militares da Colômbia, com apoio dos Estados Unidos, mantêm uma ofensiva militar contra o grupo guerrilheiro, obrigando-o a se esconder em áreas montanhosas e de selva. Nas últimas semanas, a ofensiva está concentrada em uma ampla região do sudeste do país onde, de acordo com as fontes de inteligência, se esconde o chefe militar das Farc por quem o governo do presidente Alvaro Uribe oferece uma recompensa de dois milhões de dólares.

 

Em meio a perseguições, importantes líderes do grupo rebelde, como Raúl Reyes, morreram nos últimos meses, enquanto milhares de combatentes desertaram, reduzindo a capacidade militar e logística da guerrilha, considerada uma organização terrorista pelos Estados Unidos e União Europeia. Na ofensiva militar da última semana, foram apreendidos 15 fuzis, uma metralhadora, 472 granadas, munições e explosivos.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.