Turismo em Machu Picchu é suspenso temporariamente

Enquanto a ferrovia utilizada para chegar à cidadela não for reparada, o turismo ficará suspenso

Efe

09 de fevereiro de 2010 | 02h37

O Instituto Nacional de Cultura (INC) do Peru suspendeu a partir da última terça-feira, 8 , até que as condições de segurança e infraestrutura permitam, a entrada de turistas à cidadela inca de Machu Picchu por helicópteros , única via de acesso habilitada atualmente.

 

Por meio uma nota de imprensa, o organismo peruano declinou desta maneira o pedido da Direção Regional de Comércio Exterior e Turismo de Cuzco (DRCETC), região onde fica a principal atração turística do país, de criar uma ponte aérea com helicópteros que permitisse o transporte de visitantes.

 

"As operações de helicópteros que foram autorizadas e seguem vigentes são exclusivamente para o abastecimento e atendimento do centro povoado de Aguas Calientes, como consequência da emergência ocasionada por fenômenos naturais", diz o comunicado.

 

O acesso a Machu Picchu ficou interrompido devido às intensas chuvas que caíram no sul do Peru nas últimas semanas e que inutilizaram a ferrovia que chega até a cidadela, principal via de acesso dos turistas. Como consequência, milhares de turistas ficaram ilhados nas imediações de Machu Picchu e foram resgatados de helicóptero.

 

A DRCETC propôs manter um pequeno fluxo de turistas ao monumento inca por meio dos voos de helicópteros (cerca de 210 visitantes por dia), mas o INC se opôs a esta opção ao considerar que a mesma não garante a retirada dos turistas por vias alternativas no caso de mau tempo.

 

A decisão do INC também proíbe que os turistas façam o conhecido "caminho inca", uma rota de vários dias a pé que também serve de acesso a Machu Picchu.

 

"Somos conscientes da queda no nível de receitas que estes eventos naturais originaram, mas isso não pode nos levar a esquecer que nossa principal responsabilidade é cuidar da vida e da integridade física das pessoas", acrescentou o comunicado.

 

Segundo o Ministério de Comércio Exterior e Turismo peruano, serão necessárias pelo menos seis semanas para terminar os trabalhos de reparação da ferrovia e assim restabelecer o fluxo de visitantes ao local.

Tudo o que sabemos sobre:
Turismo, Peru, Machu Picchu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.