'Ui, que medo', diz Chávez sobre relatório antiterror dos EUA

Venezuelano ridiculariza documento que afirma que Caracas não coopera com esforços dos EUA contra o terror

Agências internacionais,

01 de maio de 2008 | 08h48

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, debochou na quarta-feira, 30, durante um ato pelo Dia do Trabalhador, de um relatório do governo dos Estados Unidos que inclui a Venezuela na lista de países que apóiam o terrorismo. Washington critica a ligação de Caravas com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), considerada por EUA, Colômbia e União Européia como um grupo terrorista.  Veja também:Chávez anuncia alta de 30% do salário mínimo na Venezuela Chávez assina decreto para nacionalizar a siderúrgica SidorMapa da influência de Chávez na AL   "A Venezuela está incluída na lista de países que não cooperam plenamente com os esforços antiterroristas americanos. Estão preocupados com os laços do governo venezuelano com a guerrilha das Farc e dizem que estão nos vigiando muito de perto. Ui, que medo", disse o presidente durante uma manifestação em Caracas. A lista de países acusados de patrocinar o terrorismo - Cuba, Irã, Coréia do Norte, Sudão e Síria - continua a mesma, embora muitos no governo cogitem a retirada de Pyongyang da lista. Segundo os EUA, o caso mais grave é o do Irã, por supostamente ajudar grupos militantes nos territórios palestinos, no Líbano, no Iraque e no Afeganistão. Porém o documento ressalta que a Venezuela não colabora satisfatoriamente com os esforços antiterror dos EUA e que Chávez "aprofundou as relações com Irã e Cuba, Estados patrocinadores do terrorismo" e demonstra simpatia pelas Farc. No caso da Colômbia, as Farc aparecem para o governo americano como uma das principais ameaças do terrorismo mundial, "pelos crescentes laços do terrorismo e outras atividades criminosas". Segundo os EUA, a guerrilha arrecada mais de US$ 60 milhões anuais, "segundo se calcula, graças aos tráfico de drogas."

Tudo o que sabemos sobre:
Hugo ChávezterrorismoVenezuelaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.