Unasul apoia que governo haitiano lidere coordenação de ajuda

Organização pede, no entanto, que comunidade internacional continue cooperando, e convoca nova reunião

Efe,

29 de janeiro de 2010 | 19h40

O Conselho de Defesa da União das Nações sul-americanas (Unasul), reunido na cidade equatoriana de Manta, expressou nesta sexta-feira, 29, seu apoio ao governo haitiano para que a coordenação da ajuda humanitária e a reconstrução do país sejam feitas "sob sua liderança".

 

Tragédia no Haiti:

video TV Estadão: Há cenas que não consigo tirar da cabeça, diz enviado

mais imagens Olhar sobre o mundo: ensaio fotográfico sobre a noite no Haiti

especial Infográfico: Tragédia e destruição no Haiti

 

"Apoiamos os esforços do governo do Haiti para que sob sua liderança convenha com a comunidade internacional e as Nações Unidas a coordenação das atividades de assistência humanitária a população haitiana", disse um comunicado do CD da Unasul.

 

O Conselho, no entanto, incitou os cooperadores internacionais a manter uma "coordenação mais fluida" da ajuda que chega ao Haiti, segundo o comunicado, cujo conteúdo foi discutido nesta sexta pelos vice-ministros de Defesa da região.

 

Em sua declaração, o CDS reitera a solidariedade da Unasul para com o povo e o governo haitianos e confirmar seu interesse em contribuir com a assistência aos danificados e apoiar a reconstrução da nação caribenha, assolada por um terremoto em 12 de janeiro.

 

O Conselho também apoiou o Executivo haitiano para que estabeleça "pautas comuns e responsabilidades que ajudem a grande e complexa tarefa de reconstrução desta querida nação irmã".

 

"Exortamos as partes cooperadoras presentes no Haiti a manter uma coordenação mais fluida, com o propósito de tornar mais eficiente a assistência humanitária e a cooperação internacional", acrescentou o texto.

 

O documento também destaca a visita do presidente do Equador e da Unasul, Rafael Correa, ao Haiti. Correa afirmou hoje na capital haitiana que é "inconsequente" a discussão sobre a chegada de tropas norte-americanas ao Haiti após o terremoto, e declarou que "quanto mais ajuda chegar, melhor".

 

Esta declaração foi feita logo após os presidentes de países como Bolívia e Venezuela, que integram a Unasul, terem acusado os EUA de se aproveitarem do terremoto para ocupar militarmente o Haiti, o que foi negado por Washington.

 

O Conselho de Defesa da Unasul convocou uma próxima reunião de especialistas em Quito para facilitar o trabalho de apoio e reconstrução do Haiti, a médio e longo prazo, "de modo que se aglutinem os esforços dos países da União".

 

A Unasul é formada por Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Suriname, Uruguai e Venezuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.