União Europeia aprova ajuda de 429 milhões de euros para Haiti

Recursos serão destinados para ajuda humanitária urgente e reconstrução a médio e longo prazo do país

Efe,

18 de janeiro de 2010 | 09h48

A União Europeia decidiu nesta segunda-feira, 18, destinar 122 milhões de euros em ajuda humanitária urgente ao Haiti e 107 milhões para a reconstrução e reabilitação imediata do país caribenho.

 

Mais 200 milhões de euros estão disponíveis no orçamento da União Europeia para a reabilitação a médio e longo prazo, afirmaram os principais responsáveis europeus após uma reunião extraordinária do Conselho de ministros

 

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

Apesar de a resposta internacional e comunitária ter sido "rápida" após o terremoto da semana passada, ainda falta "mais ajuda e auxílio", destacou a representante para a Política Externa da União Europeia, Catherine Ashton.

 

O comissário europeu para Ajuda Humanitária, Karel De Gucht, disse que "por hora" o dinheiro aprovado para ajuda imediata "é suficiente", mas ressaltou que falta atuar em "logística, organização e distribuição" para que o auxílio chegue à população.

 

A Coreia do Sul também afirmou nesta segunda-feira que enviará uma ajuda adicional de 10 milhões de dólares, após ter destinado um milhão de dólares na semana passada. 

 

Além disso, a principal companhia sul-coreana, o grupo Samsung, anunciou que doará US$ 1 milhão à ilha caribenha, enquanto os trabalhadores da LG Electronics doaram 50 milhões de wons (US$ 43,4 mil dólares) a um organismo internacional não-governamental, a Good Neighbors, em ajuda ao Haiti.

 

O presidente da Guinea Equatorial, Teodoro Obiang, decidiu enviar 2 milhões de dólares ao Haiti. Segundo comunicado, trata-se de uma medida de "solidariedade", devido à "grave e desolada situação como consequência do terremoto que devastou" o pequeno país caribenho.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.