União Europeia pede a Cuba avanços em direitos humanos

Bloco diz que país latino-americano não deve esperar por sanção para melhorar desempenho

Agência Estado e Associated Press

14 de maio de 2009 | 14h18

Um alto funcionário da União Europeia afirmou nesta quinta-feira, 14, que Cuba não pode esperar para melhorar seu desempenho em relação aos direitos humanos enquanto o bloco não impor sanções à ilha caribenha.

 

O ministro de Relações Exteriores da República Checa, Jan Kohout, disse que a questão dos direitos humanos tem "um papel importante" no debate entre a relação do bloco de 27 nações e Cuba. Os checos mantêm a presidência rotativa da UE neste semestre.

 

O chanceler disse ainda, após um encontro entre a UE e países latino-americanos, em Praga, que a UE busca uma posição comum sobre Cuba. Os ministros de Relações Exteriores do bloco decidem em junho se a relação com Cuba deve avançar ou mesmo se podem ser reimpostas sanções à ilha. Não está claro, entretanto, se as nações do bloco europeu entrarão em acordo sobre o país antes do encontro.

Tudo o que sabemos sobre:
CubaUnião Europeiadireitos humanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.