Uribe acusa político dos EUA de complicar acordo sobre reféns

O presidente da Colômbia, Alvaro Uribe,acusou nesta terça-feira um político norte-americano depressionar as Farc a não aceitarem uma zona de encontro de 150quilômetros quadrados destinada à negociação de um acordo dehumanitário. Uribe não revelou o nome do político, que, segundo disse,estaria aconselhando as Forças Armadas Revolucionárias daColômbia (Farc) a recusarem a oferta de Bogotá pela criação deuma zona de encontro que seria o palco de negociações para alibertação de reféns da guerrilha e de 500 rebeldes detidospelo governo. "Me preocupam alguns políticos nacionais e internacionaisque recomendam que as Farc não aceitem a zona de encontro",disse Uribe à Rádio Caracol. "São políticos nacionais e um político de menor nível deimportância dos Estados Unidos", acrescentou o governante, semdar mais detalhes. Os comentários de Uribe aconteceram horas antes de umencontro, em Washington, entre a senadora do Partido Liberalcolombiano Piedad Córdoba com o democrata James McGovern, integrante de um grupo de parlamentares norte-americanos queanunciaram disposição para ajudar na libertação dos reféns sobcustódia das Farc. A ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt e trêsnorte-americanos são mantidos reféns pela guerrilha. As Farc exigem que Uribe retire o Exército e a polícia deuma zona montanhosa de 780 quilômetros quadrados para que seusrepresentantes se reúnam com os do governo para negociar. Mas o presidente, que promove uma agressiva campanhamilitar com a guerrilha de esquerda, recusa-se a aceitar ostermos, com o argumento de que os rebeldes buscam tirarproveito de uma região estratégica para o tráfico de armas edrogas. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.