Uribe agradece 'eficácia' de Chávez por libertação de reféns

O presidente da Colômbia, Alvaro Uribe,agradeceu as gestões de seu colega venezuelano, Hugo Chávez,que levaram à libertação de duas reféns da guerrilha ForçasArmadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e também ofereceu umprocesso de paz com plenas garantias aos rebeldes. "Nossa gratidão de todos os colombianos, do governo, demeus companheiros, a minha, ao presidente da irmã República daVenezuela, Hugo Chávez, por seu esforço e sua eficácia para alibertação de nossas compatriotas sequestradas, muitoobrigado", disse Uribe em pronunciamento público naquinta-feira. As Farc libertaram na manhã de quinta, no meio da selvacolombiana, as políticas Consuelo González e Clara Rojas,sequestradas desde 2001 e 2002, respectivamente. Uribe agradeceu ainda à senadora oposicionista colombianaPiedad Córdoba, que também foi mediadora no caso, ao ComitêInternacional da Cruz Vermelha, que participou do resgate, e àcomunidade internacional por seu apoio nesse caso, mas lamentouque 44 pessoas continuem em poder das Farc com fins políticos. O presidente disse que pelo menos 750 pessoas sequestradaspela guerrilha nos últimos anos -- a maior parte por motivosfinanceiros -- continuam desaparecidas. "Temos a felicidade pela libertação das duas compatriotasque estavam sequestradas e a dor pelo cativeiro do sequestro emque permanecem esses compatriotas", afirmou Uribe. Ele destacou também o profissionalismo das Forças Armadascolombianas, que acataram e respeitaram a ordem para suspenderas operações durante 12 horas e facilitar a libertação. "Os soldados da Colômbia estavam a dois quilômetros dolocal (e) cumpriram com honra a palavra que haviam empenhado asinstituições da República de dar garantias para a libertação denossas compatriotas sequestradas", observou Uribe, que cobrou adesmobilização das Farc, prometida no passado, quando aguerrilha exigia a dissolução dos grupos paramilitares dedireita, seus inimigos, e garantias para fazer política naoposição. "Nosso governo está pronto para a paz com a mesma devoçãocom que conduzimos a segurança; convido as Farc a consideraruma negociação simples, ágil, de boa fé, que seria rodeada degarantias democráticas." O presidente anunciou que o governo entregará rapidamente aClara Rojas seu filho Emmanuel, nascido há cerca de três anosno cativeiro. Soube-se recentemente que o menino está desde2005 sob custódia do governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.