Uribe dá garantias a Cruz Vermelha para libertação de reféns

Farc anunciaram soltura unilateral de seis sequestrados; presidente colombiano propõe apoio do Vaticano

Efe,

12 de janeiro de 2009 | 14h20

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, ofereceu nesta segunda-feira, 12, garantias ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para receber seis reféns que serão libertados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e anunciou que aceitará um fiador designado pela Igreja Católica colombiana ou pelo Vaticano para conseguir essa libertação. Veja também:Por dentro das Farc Histórico dos conflitos armados na região   Uribe fez o anúncio antes de viajar a Washington, onde será condecorado na terça pelo presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, junto com outras personalidades estrangeiras. "O governo dará todas as facilidades para que o Comitê Internacional da Cruz Vermelha possa fazer uma contribuição eficaz", disse o líder, em uma breve declaração aos jornalistas na casa presidencial de Nariño, antes de ir para os EUA. "Se a Igreja Católica em nível nacional, ou inclusive o Vaticano, a Secretaria de Estado do Vaticano, ou a pessoa ou instituição que designar Sua Santidade (Bento XVI), pode ajudar para que ocorra a libertação dos sequestrados, o governo autoriza e dará as boas-vindas", disse. As Farc anunciaram em 21 de dezembro que libertarão, como gesto unilateral, seis pessoas sequestradas, entre elas dois políticos, mas ainda não deram detalhes do local ou data. Para essa libertação, o grupo guerrilheiro escolheu a senadora opositora Piedad Córdoba, que há mais de um ano realizou gestões semelhantes, com o apoio do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, enquanto a parte logística ficará a cargo do CICV. "O tempo todo, o governo autorizou e deu as boas-vindas às gestões de paz de libertação de sequestrados realizados pela Igreja Católica", ressaltou Uribe nesta segunda. Os dois políticos que serão entregues são o ex-governador de Meta Alan Jara, sequestrado em 2001, e Sigifredo López, um dos 12 deputados de Valle del Cauca retidos em 2002, cujos companheiros foram assassinados em 2007. As seis pessoas que serão liberadas fazem parte do grupo de 28 sequestrados, a maioria militares ou policiais, que as Farc querem trocar por cerca de 500 membros da guerrilha presos, se houver um acordo humanitário.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbiaÁlvaro Uribe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.