Uribe exige que Farcs sejam consideradas grupos terroristas

"O único status que se pode reconhecer a esses bandidos é o de terroristas, sanguinários, narcotraficantes, mentirosos, e daí para a frente"

EFE

07 de setembro de 2007 | 01h14

O presidente colombiano, Álvaro Uribe Vélez, afirmou a jornalistas do país que o Governo "não vai permitir" que o mundo retire o status de terrorista da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). "O único status que se pode reconhecer a esses bandidos é o de terroristas, sanguinários, narcotraficantes, mentirosos, e daí para a frente", disse Uribe em Quimbaya. Horas antes, as Farc haviam pedido aos Governos de todo o mundo que reconhecessem o status de beligerância na Colômbia e que não as considerassem como um grupo terrorista. Além disso, num comunicado divulgado na internet, afirmaram estar dispostas ao diálogo e a uma saída negociada. "Acreditamos, como revolucionários que somos, na possibilidade de encontrar uma saída política para esta guerra que sangra a Colômbia", disse o comunicado do grupo. Uribe, no entanto, respondeu que seu Governo não permitirá que a comunidade internacional retire o rótulo de terroristas das Farc. Ele observou que na Colômbia existe um Estado legitimamente constituído, por isso não permitirá que a iniciativa tenha sucesso no âmbito internacional. "Este é um Estado democrático, respeitável, que não vai permitir que o mundo deixe de considerar terroristas esses bandidos", ressaltou o governante colombiano.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcUribeColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.