Uribe expressa 'simpatia' por governo Micheletti, diz chanceler

Delegação do líder de facto hondurenho se reuniu com presidente colombiano; Bogotá 'não aprova comentários'

Efe,

22 de julho de 2009 | 16h48

O chanceler do governo de facto hondurenho, Carlos López, se reuniu na segunda-feira, em Bogotá, com o presidente colombiano, Álvaro Uribe, informou nesta quarta, 22, a emissora La FM. López confirmou a reunião à emissora e acrescentou que Uribe expressou "simpatia" pelo governo do presidente Roberto Micheletti, nomeado pelo Parlamento para substituir o líder deposto de Honduras, Manuel Zelaya, em 28 de junho.

 

Veja também:

linkPara analistas, pressão econômica seria saída para Honduras

linkAmorim diz que 'golpistas só prolongam agonia' em Honduras

linkGoverno interino de Honduras adia envio de negociadores

linkZelaya diz que sua morte será responsabilidade de comandante militar

linkHonduras expulsou diplomatas aliados de Chávez, diz Caracas

especialEntenda a origem da crise política em Honduras 

lista Perfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

"No processo de mediação para resolver a situação de Honduras, liderado pelo presidente da Costa Rica, Oscar Arias, uma comissão hondurenha foi recebida de maneira informal em Bogotá, no dia 20 de julho", afirma um comunicado divulgado pelo Ministério de Exteriores colombiano.

 

"O governo da Colômbia reafirma seu apoio à gestão mediadora, realizada pelo presidente Arias, para restabelecer o processo democrático em Honduras, com respeito à Constituição e por meios pacíficos, de acordo com o princípio de não-intervenção", acrescenta o texto. No entanto, o comunicado esclarece que o governo "não aprova os comentários pessoais expressados por integrantes da comissão hondurenha que se reuniu com Uribe, sobre terceiros países."

 

"O tema principal" tratado com o governante colombiano "foi a situação em Honduras, a situação interna que estamos vivendo" por causa do golpe militar que tirou Zelaya do poder, disse López. Explicou que o governo da Colômbia "simpatiza" com o de Micheletti por sua política de "respeito à ordem constitucional, à separação de poderes e aos direitos humanos."

 

Além disso, o chanceler hondurenho afirmou que decidiu auxiliar a Colômbia porque, segundo sua opinião, as duas nações são "vítimas de agressores externos comuns, como Hugo Chávez."

 

Chávez "é um vizinho sumamente perigoso, que esteve a ponto de estender seu modelo a Honduras", advertiu López. Segundo o chanceler nomeado por Micheletti, o encontro com Uribe aconteceu na noite da segunda-feira passada em Bogotá e teve a presença de outros sete delegados do novo Governo hondurenho.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaHonduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.