Uribe pede que Farc libertem Betancourt imediatamente

Ex-candidata presidencial estaria com a saúde crítica e deprimida; Cruz Vermelha quer autorização para visita

Reuters,

29 de fevereiro de 2008 | 18h58

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, pediu nesta sexta-feira, 29, às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) a libertação unilateral e imediata da ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt e de outros reféns com o estado de saúde crítico. Os quatro ex-parlamentares libertados na quarta-feira disseram que Betancourt está sérios problemas de saúde, deprimida e que sua vida está em perigo.   Veja também: 'Morte parece ser uma doce opção', diz Ingrid Betancourt Cruz Vermelha pede às Farc para visitar Ingrid Betancourt Chávez propõe grupo multilateral para mediar conflito com Farc Farc recebem provisões brasileiras, diz ex-refémPor dentro das Farc  Reféns colombianos: do seqüestro à liberdade Quem são os 4 reféns libertados na Colômbia   "Agora estamos angustiados porque os reféns libertados confirmam que é grave o estado de saúde de Betancourt", disse Uribe. "Com a saúde, com a vida não se pode chantagear. Essas chantagens fizeram terroristas como Hitler e agora as Farc, mas não se pode aceitar".   "Nós pedimos uma libertação unilateral, imediata, dos seqüestrados que estão com a saúde afetada, que estejam doentes", disse Uribe, que mantém, com apoio dos Estados Unidos, uma ofensiva militar contra a guerrilha. Uribe pediu que as Farc aceitem a vista de uma equipe médica da Cruz Vermelha.   O ex-senador colombiano Luis Eladio Pérez, que várias vezes dividiu o cativeiro com Betancourt, disse que a viu pela última vez em 4 de fevereiro. "Ela está muito mal", talvez "pior" que do que estava na foto divulgada em dezembro como prova de sobrevivência, na qual aparece muito magra e abatida. Ingrid tem um "problema recorrente de fígado", e está "mal física e moralmente", acrescentou o ex-senador, entregue pelas Farc à Venezuela e a uma comissão da Cruz Vermelha, junto com os também ex- parlamentares Gloria Polanco, Orlando Beltrán Cuéllar e Jorge Eduardo Gechem Turbay.   O ex-senador revelou ainda que Betancourt, seqüestrada em 2002, é submetidas a mals tratos, está acorrentada a uma árvore e é obrigada a caminhar descalça para evitar uma fuga. As Farc mantêm 40 reféns políticos, incluindo Betancourt e três norte-americanos, que tentam trocar por 500 rebeldes presos.

Mais conteúdo sobre:
Farc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.