Uribe rebate críticas de Fidel por ser nomeado para comissão da ONU

Para líder cubano, indicação de ex-presidente colombiano é 'um absurdo e um disparate'

Efe,

16 de agosto de 2010 | 18h41

BOGOTÁ- O ex-presidente colombiano Álvaro Uribe afirmou nesta segunda-feira, 16, que é conveniente que o líder cubano Fidel Castro analise as conquistas de seu governo antes de dar eco às calúnias "dos protetores políticos do terrorismo". Segundo Uribe, Fidel se esqueceu "de oito anos de respeito mútuo".

 

Veja também:

linkFidel critica nomeação de Uribe em comissão da ONU para investigar Israel

 

As afirmações foram dadas em resposta a uma coluna de Fidel publicada hoje, na qual o cubano considera "um disparate e um absurdo" a nomeação de Uribe como membro de uma comissão da ONU que investigará o ataque de Israel a uma frota humanitária.

 

"É conveniente que o ex-presidente Castro analise estes temas antes de dar eco á uma calúnia de protetores políticos do terrorismo narcoguerrilheiro", disse Uribe, sem especificar a quem sua acusação se refere.

 

Segundo o ex-líder colombiano, seus anos de governo alcançaram conseguiram a desmobilização do "terrorismo 'narcoparamilitar', o enfraquecimento do terrorismo narcoguerrilheiro, a proteção eficaz à oposição radical e o aumento das liberdades".

 

Segundo Fidel afirmou hoje em um artigo intitulado "A ONU, a impunidade e a guerra", a nomeação de Uribe para participar de um comitê da ONU que investigará o ataque de Israel à "Flotilha da Liberdade" outorga ao ex-presidente, "acusado por crimes de guerra, total impunidade".

 

A participação de Uribe na comissão gerou críticas, principalmente na Colômbia, enquanto o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, defendeu sua designação. Para Fidel, Ban nomeou Uribe "cumprindo ordens superiores".

 

Além do ex-governante colombiano, o comitê é formado pelo ex-primeiro-ministro da Nova Zelândia, Zelanda Geoffey Palmer, que o preside, pelo israelense Yosef Ciejanover, e turco Ozden Sanberk.

 

Fidel recebeu ontem em Havana a senadora colombiana Piedad Córdoba, mediadora ante as Farc e uma das vozes mais críticas do governo Uribe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.