Uruguai tem primeira união civil gay reconhecida

País é o primeiro na América Latina a prever direitos iguais para casais hetero e homossexuais

Efe,

18 de abril de 2008 | 03h28

A Justiça Cível do Uruguai aprovou nesta quinta-feira, 17, a primeira união civil gay do país, amparada na Lei de União Concubinária, em vigor desde o começo do ano. Na primeira oficialização de uma relação homossexual em solo uruguaio, a juíza de paz Estrella Pérez Azziz ratificou a união entre Adrián Figuera, de 38 anos, e Juan Carlos Moretti, de 67, três meses depois de o Uruguai ter se tornado o primeiro país latino-americano a aceitar as uniões civis entre pessoas de sexo diferentes ou não. Com a Lei Concubinária, casais gays podem registrar sua união e garantir os mesmos direitos assegurados aos heterossexuais em um casamento, como divisão de bens, herança e pensão por falecimento. No entanto, o casal precisa estar junto há cinco anos, sem interrupções.

Tudo o que sabemos sobre:
união civil gayhomossexuaisUruguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.