Usina equatoriana volta a operar após expulsão da Odebrecht

San Francisco estava parada desde junho; empresa é acusada pelo governo de cometer falhas na construção

Efe,

16 de outubro de 2008 | 19h34

A hidrelétrica San Francisco, antes responsabilidade da empresa brasileira Odebrecht, voltou a operar nesta quinta-feira, 16, com a geração de 212 megawatts, informou o presidente do Fundo de Solidariedade do Equador, Jorge Glass. A hidrelétrica estava paralisada desde 6 de junho passado, quando era controlada pela Odebrecht, expulsa do Equador pelo chefe de Estado Rafael Correa devido a supostos erros estruturais. Veja também:Chanceler equatoriana reconhece piora na relação com BrasilDívida do Equador com BNDES supera US$ 460 mi, diz jornalOdebrecht não é tema de Estados, diz ministro "A central entrou em operação na madrugada e está gerando 212 megawatts, de acordo com o previsto, mas temos que seguir avaliando a extensão técnica", disse Glass à Rádio Quito. Quanto à situação jurídica, Glass anunciou que chegaram ao país advogados internacionais que analisam a situação relativa ao crédito concedido pelo BNDES. Segundo ele, estão sendo buscadas rotas jurídicas para reivindicar, pela via civil, os consertos perante os danos na hidroelétrica originados, de acordo com os equatorianos, no período em que era controlada por Odebrecht. Glass garantiu que o país não será afetado por cortes do serviço elétrico, já que dispõe de energia suficiente. Para ele, são "legítimas" as ações do governo equatoriano frente aos problemas da Odebrecht na execução de vários contratos no país. "Nossa exigência como equatorianos é 100% legítima. Estamos exigindo de uma empresa privada que não tem nada a ver com o Estado brasileiro e todos os processos legais continuarão para que respondam pelo que fizeram e deixaram de fazer", ressaltou.  Correa assinou no domingo um decreto retirando o visto de altos funcionários da Odebrecht, na prática expulsando-os do país. No mesmo decreto, Correa revogou ainda os vistos de cinco funcionários da também brasileira Companhia Furnas-Centrais Elétricas.

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorOdebrecht

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.