'Vamos ganhar por nocaute' em referendo, diz Hugo Chávez

Presidente venezuelano diz que plebiscito sobre reeleição ilimitada deste domingo decidirá seu futuro político

13 de fevereiro de 2009 | 09h25

O presidente Hugo Chávez encerrou na quinta-feira, 12, a campanha em favor da emenda constitucional que introduz a reeleição ilimitada com um apelo em forma de prognóstico: "O 'sim' deve ganhar por nocaute", anunciou ele, referindo-se ao referendo de domingo. Chávez disse ter recebido pesquisas na noite de quarta-feira que indicam sua vitória, sem dar detalhes, porque a lei não permite sua divulgação nas vésperas da votação.   Chávez disse que seu futuro político será definido no próximo domingo. "A partir de 15 de fevereiro, só o povo colocará e tirará governos", celebrou o presidente, no cargo há dez anos. "A de domingo será a vitória perfeita", previu Chávez, derrotado por 50,71% a 49,29% noutro referendo com o mesmo intuito, em dezembro de 2007. "Domingo vocês vão decidir meu destino político, e se saberá se Hugo Chávez fica ou vai", dramatizou o presidente, que disse que falaria pouco e discursou por 1h40. "Minha vida é de vocês. Façam com ela o que quiserem."   Dezenas de milhares de pessoas tingiram de vermelho as avenidas do centro de Caracas para apoiar a emenda constitucional. A maioria trazia camisetas, bonés, coletes e bandeiras indicando que trabalham para algum órgão ou programa social do governo ou estudam em escolas públicas. Na Torre Ministerial, que abriga os Ministérios da Comunicação e Informação, da Educação Superior e da Ciência e Tecnologia, funcionários desciam os elevadores carregando fardos de camisetas vermelhas e panfletos defendendo o "sim" no referendo. Motociclistas circulavam entre os manifestantes com distintivos, ao estilo FBI, do Ministério da Participação e Proteção Social. A manifestação coincidiu com o Dia da Juventude na Venezuela, na qual o movimento estudantil tem tido um papel central na resistência ao regime. Hoje, os opositores de Chávez pretendem realizar uma grande manifestação na capital.   O presidente venezuelano, que completou uma década no poder, voltou a afirmar que "está pronto" para governar até 2019 - quando terminaria um eventual terceiro mandato presidencial. Chávez afirmou ainda que reconhecerá "qualquer resultado" do pleito e desafiou seus opositores a fazerem o mesmo. "Exijo aos dirigentes da oposição que digam ao país se vão ou não reconhecer os resultados do domingo", afirmou. "Eu sei que estão preparando 'guarimbas' (bloqueios) e violência. Aconselho que não se atrevam, nós estamos prontos para enfrentá-los. A Venezuela terá paz, nós somos portadores da paz, eles são os portadores da violência", acrescentou. Em tom bem-humorado, o presidente venezuelano, que é solteiro, não escondeu a "preocupação" pela celebração do Dia dos Namorados, comemorado no dia 14 de fevereiro na Venezuela, véspera do referendo. Tentando evitar a dispersão de seus apoiadores, ele prometeu "uma semana de folga a partir da segunda-feira", para que, no sábado, eles não deixem de lado a campanha para namorar. "Mas isso só depois de que derrotarmos a oposição nas urnas e, se for preciso, nas ruas, caso eles se atrevam a não reconhecer o triunfo da revolução bolivariana", afirmou.   Segundo a BBC, espera-se que mais de 16 milhões de venezuelanos compareçam às urnas neste domingo para decidir se aprovam, ou não, a proposta de emenda constitucional. (Com Lourival Sant´Anna, de O Estado de S. Paulo, e BBC Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuelareferendo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.