Veja os possíveis cenários criados pelo referendo de Chávez

Presidente venezuelano tenta aprovar emenda constitucional para ter o direito de reeleição ilimitada

Agências internacionais,

13 de fevereiro de 2009 | 15h22

Os venezuelanos participam neste domingo de um referendo sobre a emenda constitucional que pode permitir que o presidente socialista Hugo Chávez permaneça no poder enquanto vencer eleições, podendo disputá-las ilimitadamente. O líder venezuelano celebrou em fevereiro dez anos no poder e afirma que precisa de mais dez anos para continuar suas campanhas contra a pobreza, apesar de seu mandato acabar em 2013. Veja os possíveis cenários para a Venezuela com o plebiscito:   Veja também: A dinastia Chávez  Processos eleitorais na Venezuela na presidência de Chávez Conheça os programas sociais apoiados por Hugo Chávez   Chávez vence Uma vitória no referendo poderia fortalecer o mandato de Chávez e dar a ele confiança para expandir seu projeto socialista inspirado no regime cubano, incluindo nacionalizações e o aumento do controle estatal sobre a economia. Ele deve ainda interpretar que uma vitória seria como uma autorização para impulsionar suas políticas de conselhos comunitários com o suporte estatal que substituir os políticos opositores e avançar com suas reformas pelo país.   Chávez teria ainda o caminho livre para tomar medidas econômicas impopulares como criar novos impostos ou cortar gastos. O país membro da Opep enfrenta dificuldades com a queda do preço do petróleo e reduziu seu crescimento por conta da crise financeira. A aprovação pode ainda sustentar a ideia de que o governo é livre para assumir o controle de empresas que apresentarem problemas de pagamento aos funcionários ou que não obedeça os preços controlados pelo governo. Chávez iniciou uma onda de nacionalizações desde sua reeleição, em 2006.   Chávez perde Uma derrota no domingo poderia encorajar a oposição com uma segunda vitória contra Chávez depois que sua reforma constitucional, que incluía a reeleição ilimitada, foi rechaçada num referendo em 2007. Os líderes opositores, que também ganharam terreno nas eleições regionais do ano passado, poderiam pedir um referendo contra Chávez em 2010.   Enfraquecido, Chávez poderia diminuir a velocidade de suas reformas como fez no início de 2008, logo após a nova Constituição ser derrotada. Entretanto, uma derrota poderia tornar o presidente mais combatente. Atualmente, ele conta com um discurso de confrontamento e uma retórica de discórdia contra os adversários. Existe ainda a possibilidade de Chávez convocar um terceiro referendo ou até convocar uma Assembleia Constituinte para reescrever a Constituição a seu favor.   Resultado apertado Uma disputa acirrada, com diferença de um ou dois pontos de vantagem - como aconteceu no primeiro referendo - poderia iniciar uma longa contagem dos votos e protestos da oposição, afetando a estabilidade e o risco de investimento no país.   Uma pequena derrota de Chávez poderia ser um passo adiante para os opositores e pode acabar com a impressão de muitos eleitores de que o atual presidente é imbatível nas urnas. Uma vitória com pequena vantagem de Chávez, que perdeu uma única eleição em dez anos, pode demonstrar sua fraqueza e dar a ele um ano político difícil, ainda que conquiste a reeleição ilimitada.

Tudo o que sabemos sobre:
referendoVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.