Reuters
Reuters

Venezuela abandona Corte Interamericana de Direitos Humanos

Hugo Chávez encarregou um conselho para avaliar se país deveria continuar integrada ao tribunal

Reuters

25 de julho de 2012 | 10h03

CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse na terça-feira, 24, que seu país vai abandonar a Corte Interamericana de Direitos Humanos, órgão que governos esquerdistas latino-americanos frequentemente acusam de estar a serviço dos interesses dos EUA.

Veja também:

linkIncerteza na Venezuela contribui para pressa em ampliar Mercosul

linkDilma reitera convite a Chávez para Cúpula do Mercosul

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Chávez disse que tomou essa decisão "por dignidade". "E os acusamos perante o mundo de serem indignos de se chamarem de um grupo de direitos humanos", acrescentou o presidente durante uma cerimônia militar.

Recentemente, a corte determinou que a Venezuela violou os direitos de um homem colocado em condições carcerárias precárias, após ser condenado por atentados contra instalações diplomáticas da Espanha e da Colômbia em Caracas.

Esse acusado, chamado Raúl Diaz, foi condenado a nove anos de prisão, mas fugiu para os EUA depois de obter a liberdade condicional, disse a chancelaria venezuelana em nota.

O tribunal interamericano, que é parte da Organização dos Estados Americanos (OEA) e funciona na Costa Rica, já analisou vários casos contra a Venezuela neste 13 anos do governo de Chávez.

Meses atrás, Chávez encarregou um conselho formado por aliados de avaliar se a Venezuela deveria ou não continuar integrada ao tribunal.

(Reportagem de Brian Ellsworth)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.